domingo, 20 de junho de 2010

O pomar das laranjeiras

Foi sem dúvida o título da canção dos Madredeus no seu brilhante álbum Existir que me levou a olhar assim para o lugar onde nasci e cresci, e que homenageio assim na hora de baptizar este espaço onde quero partilhar convosco o meu e o nosso mundo: Vila Viçosa.
Na terra calipolense as vias principais estão bordadas com infinitas laranjeiras, e tudo acontece, a vida acontece, à sombra dessa árvore de fruto.
Aprendi a distinguir e a usufruir das diferentes estações do ano ao ritmo definido pelas flores, os frutos e os aromas desta árvore.
Foi à sombra das laranjeiras, sobretudo nos dias quentes de verão e primavera que estabeleci os laços com os amigos no decurso de longas conversas e infinitas partilhas de sentimentos e convicções.
Foi nos ramos mais irregulares dos seus troncos que imaginei os aviões que fizeram parte de todas as brincadeiras e viajei infinitamente pelos quatro cantos do mundo da minha imaginação.
Foi pela regra de não colher uma laranja que reforcei a aprendizagem do valor do respeito pelos alimentos sobretudo tendo em conta quem os não tem, aprendendo simultaneamente a viver e a respeitar a natureza e os mais elementares valores ecológicos.
Quero que à sombra deste pomar agora tornado virtual neste espaço, tudo possa continuar a acontecer e por isso vos dou as boas vindas até ele.

2 comentários:

  1. Olá!
    Obrigada por me enviares o link para o teu blog. Sóbrio, como tu, e com opiniões coerentes, como sempre.
    Gostei da explicação do título. De repente, vi-me debaixo de uma dessas laranjeiras, há "alguns" anos...
    Seguirei as tuas reflexões!

    ResponderEliminar
  2. Olá Joaquim, bem vindo à blogosfera. Partilho contigo a descrição desta terra maravilhosa que é Vila Viçosa. A chamada "Solera de laranjeira", que em tempos, tanto ouvi falar. Ao ler, recuei no tempo, senti o aroma das flores, as cores dos frutos mas, esencialmente, vi o que ficou: as amizades criadas "À sombra das laranjeiras".

    ResponderEliminar