quarta-feira, 5 de julho de 2017

Ser


Eu sou a semente desatada pela coragem dos meus avós
Sou a raiz envolta na esperança que choveu da ousadia
Sou o inverno fértil
O dia quente
Eu sou a flor e o fruto do sonho de tanta gente

Eu sou a voz
Sou a palavra à solta por entre o eco de uma manhã de liberdade
Sou a rima rebelde
O romance inédito
Sou o verso em forma de verdade

Eu sou o passo certo e o incerto
Sou o previsível e a diferença
Sou água e sou vinho
Sou riso
Sou o nada e sou tudo no tudo da minha vontade

Eu sou um rio buscando o mar que o abraça
Sou barco
E às vezes sou apenas jangada
Sou uma ilha inesperada
Sou um Gama buscando as “Índias” que o seu querer lhe traça

Eu sou o grito que rasga os silêncios que doem
Sou o abraço na morte da solidão
Sou a gargalhada
A piada
Sou o sim e o não que mudam o tempo
Sou a Coragem e a festa
E às vezes sou uma revolução

Eu sou o beijo que não mente
O abraço que é meu e coerente
Sou o gesto e a esperança nas laudes sem letras nascidas da alma de um Homem crente

Eu sou a fonte de água fresca
As cerejas maduras
Sou o tom grená da romã
Eu sou hoje
E sou amanhã

 

 

Sem comentários:

Enviar um comentário