quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Açores


Com a cumplicidade da lua cheia, serena dormia ainda Lisboa quando deixei que o avião me raptasse às cumplicidades do seu sono, e, fazendo-me Ícaro feliz, me transportasse ao privilégio de espreitar o primeiro sol de Agosto, para lá das nuvens.
O sol das madrugadas e da eterna luz branca de Lisboa, é meu fiel companheiro no passeio sobre o Atlântico, em busca do ninho verde do açor.
Terra nascida com marca de Céu e baptizada com nome de arcanjo.
Pedaço flutuante do melhor e mais perfeito Portugal.
Duas horas e aí está o avião a romper as nuvens e a entregar-se à beleza irresistível de S. Miguel.
Desço do sonho e olho em redor. Riem, cantam, batem palmas, falam alto num inédito idioma nervoso que casa Camões e Shakespeare com sotaque de América.
Só os olhares os denunciam e os revelam como filhos da bruma, irmãos do canto de Antero ou Natália, são a gente de Nemésio e João de Melo, são eles, a gente feliz com lágrimas.
Heróis de coragem, felizes pelos instantes breves de regresso a casa.
Santos, Cristos do nosso tempo coroados no altar da bravura.
Santos, Espíritos detonadores do impossível.
Sinto orgulho.
Este sim é o meu Portugal, esta é a minha gente.
Gente sem nome, mas mestres de honra, força e dignidade.
É aqui nestes seres, que está o sangue e a alma que nos fazem povo e nação, o segredo que nos garante o cumprir do sonho de um eterno Portugal.

2 comentários:

  1. BOAS FERIAS
    RUI PEREIRA

    ResponderEliminar
  2. Gostei imenso dos Açores: das paisagens, das pessoas... fiquei a admirar o povo destas ilhas pelas coragem do recomeço após cada catástrofe! Pela fé que demonstra através das várias manifestações de religiosidade popular! Da esperança que trasminte...

    ResponderEliminar