quarta-feira, 28 de novembro de 2012

As novas versões do presépio.


Há dias tive oportunidade de passear no centro de Madrid, e entre a surpresa e a desolação, senti como a movida foi irremediavelmente substituída pela indisfarçável pobreza.
Entre a Chueca e a Puerta del Sol, passando pela Gran Via, respira-se o mesmo ar do nosso Rossio e, suponho, da Praça Sintagma, em Atenas.
Há centenas de pessoas sem-abrigo buscando os sítios que mais as possam proteger do frio, competindo em número com gente que enverga coletes reflectores publicitando a sua disposição de comprar ouro a bom preço, abutres sem escrúpulos pousando sobre os restos da miséria dos que definham.
E os grandes armazéns e casas comerciais, ali mesmo ao lado, já têm luzes e falam de Natal.
Mas se o Natal é Cristo, e se pela minha fé, Cristo está onde está o Homem, não tenho dúvidas de que neste Natal, na nossa Europa da 4ª divisão, Cristo está aqui enrolado em cobertores e edredões sujos num presépio com o patrocínio de um Herodes chamado austeridade, morrendo de fome e à mercê da generosidade de uns quaisquer “pastores” saídos de alguma ONG ou Banco Alimentar.
Mais revoltado do que triste, apanho um táxi de volta ao hotel e as notícias em Castelhano que o auto-rádio vai veiculando, não deixam dúvidas: Jesus morre aqui, assim, à fome nas ruas das nossas cidades, ao mesmo tempo que é assassinado friamente em Gaza pelas mãos daqueles que só conseguem perspectivar um holocausto quando estão na posição de vítimas.
Subo ao quarto e pego no jornal que recolhi no aeroporto e que a curta viagem entre Lisboa e Madrid não me permitiu ler.
Em destaque, a notícia: “O Papa afirma em livro que não havia animais no sítio onde Jesus nasceu”.
Como vai obstinada a cruzada germânica contra os ruminantes. Primeiro, a outra matou-nos as vacas gordas, e agora o Sumo Pontífice mata-nos a vaca do presépio!
Como católico, permita-me Santo Padre que lhe diga, que hoje o mundo, mais do que uma rigorosa perspectiva histórica de Cristo, necessita de uma perspectiva social activa e dinâmica que não tenha medo de ferir sensibilidades de natureza política e económica, e defenda sem cessar todos aqueles que mais sofrem.
Para esta perspectiva, ajudará, como sugere o povo, que nos “montemos” nas botas dos que são vítimas.
E que tal começar por descalçar esses “sapatinhos” Prada?

2 comentários:

  1. Era bom se pudéssemos meter o espírito de natal na cabeça de alguns políticos e que fosse natal todos os dias.
    RUI PEREIRA

    ResponderEliminar
  2. Francisco... Bento XVI é um teólogo! Não pode fugir a isso. O presépio, como sabes, tendo muitos elementos teológicos, tem, simultaneamente, muitos elementos da religiosidade popular. Compreendo o que dizes, mas não me parece que as palavras do Santo Padre devessem levantar tanta polémica! Ainda não li o livro, mas tenho quase a certeza de que manifestará a forma como Cristo viveu e a sua mensagem grandiosa sobre o amor. Não percebo porque todos falam da história dos animais do presépio quando o livro deverá ter tantas coisas com muito mais interesse... mas enfim! Sobre os sapatos... concordo, e com muitas outras coisas! ;)

    ResponderEliminar