segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Ao desmembrar das arestas da normalidade e da previsibilidade dos dias...



Ao desmembrar das arestas da normalidade e da previsibilidade dos dias, ruína que a gente designa muitas vezes por solidão, o poeta chama a sua casa.
Entorno a liberdade para as horas que vou enfeitando de palavras, e a lareira onde crepitam as máscaras despejadas sem dó, ilumina a sala onde me sento num sofá azul contigo ao lado.
Eu aprendi no campo que as flores da primavera são de quem as beija com o olhar, muito mais do que de quem guarda documento de posse da terra onde nasceram.
E as pedras do ribeiro são de quem se ajoelha...
As pontes são sempre de quem as sonha…
A água das fontes é de quem a bebe com as mãos em concha.
Aqui onde falamos os dois, tu não és de mais ninguém; e eu apenas na aparência sou um homem só.

Sem comentários:

Enviar um comentário