quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O parque temático

Por manifesta falta de tempo no passado fim-de-semana, tenho aproveitado os dias desta semana para ler os volumosos periódicos publicados ao sábado e domingo, que compro religiosamente e que até serem lidos, conservo na sala junto ao meu sofá.
Fico a saber que:

- A presidente do Parlamento Português optou por manter a reforma em detrimento do salário que lhe correspondia pelas actuais funções. É que a reforma, conseguida aos 42 anos de idade e após 10 anos como juíza do tribunal constitucional, tem o valor de cerca de 7.000 € mensais, sendo portanto superior ao dito salário;

- O líder do Bloco de Esquerda afirmou que a Greve Geral de dia 24 de Novembro é, ou poderá ser, o início de um novo 25 de Abril;

- O líder da UGT deixou-se fotografar na piscina de um hotel de luxo em Maputo, onde por certo se encontrava em visita de trabalho, a fumar charuto e com ares de estar no paraíso;

- As sagas BPN e Face Oculta prosseguem a bom ritmo, com renovados argumentos, conseguindo superar em número de episódios as telenovelas-maratona da TVI;

- Na Madeira, o Natal vai ser ter o brilho de muitas lâmpadas pagas com um total de 3 milhões de Euros que irão directamente para uma empresa de um ex-deputado do partido que gere o governo da região.

Ou seja, em Portugal:

- A presidente da Assembleia que aprova o orçamento que corta e congela pensões da ordem das centenas de Euros a indivíduos que tiveram de trabalhar e fazer os seus descontos até aos 65 anos, governa-se com uma prematura e choruda reforma que é cerca de 15 vezes superior ao salário mínimo nacional;

- Um líder partidário escandalosamente agarrado ao poder, que não assume derrotas e não dá a voz e liberdade aos militantes do seu partido, para que digam ou não se o querem continuar a ver na liderança, faz bandeira com a liberdade e exige um novo 25 de Abril;

- Os defensores profissionais dos trabalhadores vivem em condições económicas muito acima dos trabalhadores que dizem representar;

- Os anos no poder de Cavaco, Guterres e Sócrates foram paraísos perfeitos para uma corja de aldrabões que usaram e abusaram do poder sempre em proveito próprio;

- Continua a não haver vergonha relativamente à gestão financeira da Madeira. Na Pérola do Atlântico como em qualquer outra localidade de Portugal, cada lâmpada acesa em iluminações de Natal, constitui uma manifesta ofensa aos trabalhadores portugueses.

Donde concluo que hoje Portugal é um Parque Temático ao jeito de um país, onde tudo o que é visível é irreal e onde a realidade suja se conserva nos bastidores, raramente emergindo e deixando que a observemos à superfície.
Eu estaria mais tranquilo e cómodo se não estivesse a pagar caro o combustível para os motores dos carrocéis desta “Feira Popular”.
A pagar e sem direito a divertir-me.

Sem comentários:

Enviar um comentário