sábado, 14 de maio de 2016

As sombras das rosas também são rosas...



As sombras das rosas também são rosas desenhadas sobre um tempo em branco e só aparentemente vazio.
E quando nessa hora o sol nos abraça, a nós e às flores, com raios de sete cores e de infinito, entrelaçamos os dedos uns nos outros e oferecemos à rosa um pássaro que a beija intensamente, enquanto a alma se senta e repousa naquele cadeirão da infância que guardou fielmente para si, assento mágico imperecível ao fluir de todos os dias.
Um tempo sem nada é uma parede branca que se predispõe à vontade que carregamos entre os dedos.
Assim como o silêncio é tudo e o rio das palavras que nunca morrem para os poetas.
O silêncio tão fiel... onde até as sombras podem ser rosas.

Sem comentários:

Enviar um comentário