sábado, 28 de maio de 2016

Vila Viçosa



Acordo eu e comigo as mais recônditas lembranças que me beijam, todos colhendo bênçãos das badaladas solenes do relógio do Paço que às sete horas já chegam tarde para desfrutar do afinado chilreio dos pardais na árvore que ladeia a minha janela e de cujo tronco se perdeu na idade.
Ainda sou tanto e quase tudo desse rapaz que aqui persiste eterno entre o eco da água das fontes que se soltam de uma imensa “Arca de Água”.
As pedras da calçada de séculos onde brincaram os avós conhecem o ADN dos meus passos, palpam-me a pressa, pressentem-me a paz e repetem comigo em coro os sonhos todos que um dia lhes segredei entre a carícia do berlinde ou o rodopiar de um pião.
Reconhecem-me marinheiro no jeito de tanto querer o mar, e talvez os poetas sejamos todos esses seres de coração em forma de vela latina e sem medo de naufragar.
Há rosas a espreguiçarem-se pelos canteiros, colou-se à cal, o aroma do mosto na Travessa do Belhuca”, há giesta em jeito de filigrana pela encosta do Castelo, e o vento arrasta o rosmaninho que Maio acendeu no outeiro que sobe da Ilha até São Bento.
O pão quente na mesa, o sol a pique do meio-dia, um bolo finto acabado de cozer, o "anexim" de uma vizinha que espreita à janela, o brinhol polvilhado de açúcar, os coentros e os poejos em despique para a açorda, os beijos de sempre, os espargos...
Aventa-se a má sorte num copo generoso de um tinto cá dos nossos e as mesas quadradas do Restauração arredondamo-las pelas palavras doces que trocamos.
Palavras como uma divina Tiborna ou uma laica e plebeia Broa de Azeite comprada na Pastelaria; sílabas soltas nos "Carrascais" imensos de liberdade que como um rio se nos solta do olhar.
Há amoras maduras a tingirem o chão do Rossio, e a tardinha que o céu perfuma de indefinidas cores traz a paixão às cavalitas nas palavras de um soneto tecido por Florbela.
"Ser poeta"...
É tempo de quase adormecer...
Com a minha mãe ao lado rezo Ave Marias na Senhora da Conceição sob o luar que me abraça de sombras.
E Vila Viçosa...
Ai quantas mães me cuidam não me deixando envelhecer.

Sem comentários:

Enviar um comentário