quinta-feira, 15 de março de 2012

A cidade mais bonita do mundo

A provar que a vida é verdadeiramente como os interruptores, ou numa versão mais clássica como os alcatruzes da nora, nesta intermitência entre o alto e o baixo ou o positivo e o negativo, se a viagem que fiz de Lisboa para Amesterdão, e que vos relatei ontem, foi na companhia da crónica depressão Portuguesa, eis que a viagem de regresso teve um momento fantástico ao nível do melhor da Alma Lusitana.
Com o avião já quase a aterrar em Lisboa, o comandante tomou a palavra e disse:
- Muito boa noite senhores passageiros, fala-vos de novo o comandante para vos dar as últimas indicações sobre o nosso voo, agora que nos preparamos para aterrar na cidade mais bonita do mundo…
Uau.
Nem mais.
Para os que entendíamos Português a mensagem estava dada mas fiquei na expectativa da conversa em Inglês.
O comandante não me desiludiu:
- … the world most beautiful city…
Não sei como se chama este piloto da TAP mas para que conste sempre digo que foi o responsável pelo voo TP661 entre Amesterdão e Lisboa no dia 14 de Março de 2012, a bordo do avião de nome Aquilino Ribeiro.
Em condições normais o relato desta conversa não faria sentido, mas estamos tão pouco habituados a ver-nos manifestar assim espontaneamente o nosso amor a Portugal e ao que é Português. Bastas vezes fazemos o inverso e valorizamos apenas o que não é nosso.
Confesso-vos que sempre invejei aos Espanhóis o jeito de gostarem de si próprios e a forma natural como o expressam em todas as ocasiões.
Sem querer cair na pieguice nacionalista (não me venham uma vez mais acusar de piegas), sempre vos digo que gosto muito de ser Português, tenho um enorme orgulho no país e no povo que somos e entendo que temos toda a legitimidade para dize-lo ao mundo inteiro sempre que tivermos oportunidade para o fazer.
Para além disso e para além do mérito pessoal deste piloto, não posso deixar de referir que é este tipo de atitudes e de mensagens que se espera do pessoal que tem o privilégio de trabalhar numa empresa que carrega a bandeira do país, empresa onde o país muito investe e a quem o estado atribui benesses acima do que proporciona ao comum cidadão que para si trabalha.
Exige-se um serviço de qualidade que seja a expressão das muitas qualidades do país.
E quanto a Lisboa?
Eu sei que sou suspeito, mas concordo com o comandante e não é só por motivos e “obrigações” nacionalistas.
Não há cor, luz, cheiro, e som como os de Lisboa, e quanto mais mundo conheço mais reforço esta convicção:
Lisboa é a cidade mais bonita do mundo.

2 comentários:

  1. Também gosto muito de ser português e de Portugal, e infelizmente sinto cada vezes menos vontade de ser português. Ainda não tive a oportunidade de conhecer muitas cidades europeias, mas o que já vi faz-me sentir triste, mais porque partilho a mesma nacionalidade que outras pessoas. É triste ver que grande parte do povo português é um animal não civilizado, vivemos numa república das bananas porque queremos e cada um faz o que quer. Portugal não é nem de perto uma cidade europeia, precisa de muito trabalho para chegar a tal nível. Quando um povo olha só para o seu umbigo, quando passa por cima de todos por poder e dinheiro, quando comete infracções e sai impune. Quando ignoramos os problemas do país e ficamos mais atentos se o nosso clube favorito ganha a liga ou não. Gosto de Portugal e gosto de ter no meu BI "nacionalidade portuguesa" mas isso não basta para livrar-mo-nos da imagem de irresponsáveis e burgessos no resto da Europa, e com razão.

    ResponderEliminar
  2. Concordo, e nunca nos podemos esquecer que somos a nação mais antiga da Europa, e temos um Sol que mais ninguém no mundo inteiro tem.
    Mena

    ResponderEliminar