domingo, 18 de março de 2012

Um improvável post por encomenda

Desde que inaugurei este Pomar há dois anos atrás, tenho recebido de múltiplas formas, os mais variados incentivos de todos vós, sentindo-me estimulado a continuar a dar-lhe vida.
Todos têm sido especiais e por isso vos estou eternamente grato.
Permitam-me no entanto que partilhe convosco o elogio que ontem me chegou na estranha forma de um post por encomenda.
O meu pai não tem um Computador Pessoal, nunca trabalhou com um computador, nunca fez uma consulta na internet, não faz ideia do que seja o Facebook, e seria portanto a última pessoa que eu esperaria me fizesse um pedido para que eu no meu blogue divulgasse um evento em cuja organização está envolvido.
Mas ontem ligou-me e fez o pedido. E fê-lo com toda a certeza motivado pela forma como lhe têm chegado os “ecos” do Pomar e por isso senti-me lisonjeado.
Claro que como a um pai não se pode dizer que não, aqui estou eu então a cumprir o que lhe prometi.
Já ouviram falar no Baile da Pinha?
Trata-se do único baile permitido no Alentejo por alturas da quaresma.
Nas sociedades recreativas e ao jeito dos bailes de sempre, as mães e as filhas casadoiras ficavam sentadas nas duas filas de cadeiras em volta do salão, esperando as últimas que os rapazes disponíveis para as levarem ao altar, as fossem buscar para uma dança que seria sempre efectuada com o consentimento das progenitoras.
Neste Baile da Pinha, existia no centro do salão, pendurada do tecto, uma estrutura feita de madeira de onde pendiam múltiplas fitas de seda das mais variadas cores, era a Pinha.
Pelo pagamento de uma determinada quantia, os rapazes garantiam o direito de ir à Pinha com o seu par.
Já para o fim da noite, a Pinha descia, os pares colocavam-se a dançar fazendo uma grande roda, e par a par, dirigiam-se até à Pinha para que a rapariga puxasse uma fita.
Todas se soltavam à excepção de uma que abria a Pinha de onde saltavam papelinhos coloridos.
Os elementos do par que elegesse esta fita mágica eram então designados por Rei e Rainha do Baile da Pinha.
No próximo sábado, dia 24 de Março, no Salão de Festas da Sociedade Filarmónica União Calipolense, ali a meio da Corredoura, terá lugar o Baile da Pinha 2012, e o meu pai, membro da Direcção desta Sociedade, quer com a minha ajuda assegurar que este importantissimo evento vai ser um sucesso.
Foi este o pedido e é este também o meu pedido.
Se estiverem por Vila Viçosa na noite do próximo sábado, vão até à Sociedade Filarmónica, dancem, bebam uns copos, comam uns petiscos, esqueçam as “fitas “ da nossa república e agarrem-se às fitas da pinha habilitando-se a ser reis e rainhas.
Bem sei que será só por uma noite mas já dizia a D. Luísa de Gusmão:
- Mais vale ser rainha uma hora…

1 comentário:

  1. Já não há bailes como antigamente mas é bonito manter esta e outras tradições.
    É sempre bom divulgar estes bailaricos.
    Faz lembrar alguns tempos atrás no meu tempo os bailaricos que se faziam nas grandes festas ao som das aparelhagens, belos tempos que não voltam.
    M.Pereira

    ResponderEliminar