quarta-feira, 7 de março de 2012

De Gracinda a Grace ou o ensaio sobre a nossa incompetência

O dia anunciava-se solarengo, o que por Londres é uma raridade, pelo que cedo nos levantámos para atacar um British Breakfast que nos desse forças para uma grande caminhada.
Chegados ao restaurante escolhemos mesa e fomos atendidos por uma simpática funcionária.
Comentei com o Paulo:
- Tem cara e ar de Portuguesa.
Mas ao mesmo tempo reparei que o nome que tinha na sua placa de identificação era Grace, e mudei de ideias.
Uns instantes depois, ao ouvir-nos falar na língua de Camões, a Grace reaproximou-se e confirmou que era tão Portuguesa quanto nós.
Partilhou connosco a sua história, confidenciando-nos que tinha uma licenciatura e um mestrado na área da saúde mas que tinha sido impossível arranjar um emprego em Portugal, e por isso, e para subsistir e poder ganhar um salário que lhe permitisse viver com o mínimo de dignidade, tinha emigrado e estava há um ano a trabalhar como empregada de mesa naquele restaurante.
Falou-nos do difícil que era viver longe de Portugal e da família, e da sua vontade de um dia voltar para poder viver no apartamento algures no norte do país, que estava a pagar com o dinheiro do seu salário e com o empurrãozinho das gorjetas que os clientes lhe pagavam.
À mesa de um restaurante de hotel em Londres, tive a sensação de estar a assistir à versão Século XXI da película tantas vezes vista e revista dos emigrantes Portugueses cruzando clandestinamente as fronteiras em busca de trabalho e de uma vida digna.
Confesso-vos que acreditei muitas vezes durante a vida que esses tempos jamais voltariam e aquele momento foi a prova do desperdício que fizemos dos últimos cinquenta anos.
Recuso-me a acreditar que este é o destino do ser Português.
A responsabilidade desta situação tem de ser imputada a quem durante todo este tempo teve o poder, mas, por incompetência ou interesses muito próprios, nos desgovernou.
A Gracinda, recusou-se a viver à rasca e antecipou-se á sugestão que os jovens da sua idade receberam recentemente de Pedro Passos Coelho, tendo emigrado para Londres com o objectivo de poder viver.
Por ter um nome impronunciável para os Ingleses, simplificou-o e chamou-se a si própria, Grace.

4 comentários:

  1. É triste termos que dizer aos nossos filhos para procurarem o futuro lá fora porque cá não existe. Tenhamos esperança que ao menos um dia possam voltar sem ser para passar férias.

    ResponderEliminar
  2. No espaço de um ano vi vários colegas a fugirem, sim porque é exactamente isso que se tem feito, e esses mesmos já não voltam porque onde estão deram valor ao trabalho deles. Se não fosse pelo meu companheiro encontrar um óptimo posto de trabalho e na área dele, e também ter mudado de local de trabalho para algo melhor, sem dúvida que também queria fugir. É triste também ver pessoas que fogem para postos de trabalho lá fora, que sabem que é por uma época, mas mesmo assim vão porque não aguentam. Como o caso de familiares e amigos... E depois como vai ser?

    ResponderEliminar
  3. e triste mas há vida e assim termos Didier aos nossos filhos para procurarem trablho la fora
    rui pereira

    ResponderEliminar
  4. e triste mas e verdade os nossos filhos ter que procurarem trabalho la fora

    menino do panasco

    ResponderEliminar