quinta-feira, 1 de março de 2012

Margaridas e aromas de esteva nos vales do Paraíso

Na tarde de um domingo do último mês de Janeiro, um daqueles dias em que a intensidade do sol nos faz esquecer o frio e o inverno, saí para passear no campo com o meu irmão e o meu Tio Filipe.
Há décadas que não o fazíamos, e comigo ao volante, por certo nunca o tínhamos feito.
Passámos por montes e quintas, andámos por atalhos, falámos de pessoas de antes e do presente, lembrámos acontecimentos das nossas vidas e, sobretudo, desfrutámos da tranquilidade que só o Alentejo nos oferece e da qual só nós alentejanos conseguimos desfrutar.
Chegados ao Monte do qual o meu tio cuidava, saímos do carro, e enquanto eu e o meu irmão vagueámos terreno fora naquele doce delírio de quem tem a oportunidade de por momentos voltar à casa da sua infância e avivar a memória dos cheiros, das cores e dos sons, o Tio Filipe, sentou-se num velho banco de pedra à sombra de uma árvore.
A doença ia avançada e a dificuldade em respirar limitara-lhe definitivamente a mobilidade e matara-lhe aquele prazer que sempre fez seu, de nunca sair do espaço da sua liberdade e da sua vontade.
Aproximei-me dele e conversámos um pouco.
Falou-me de um ribeiro que antes passava por ali e do qual agora não havia gota de água, embora houvesse aquele cheiro a poejo que é sempre denúncia de um terreno com humidade.
Apontou-me uma pedra branca lá ao longe e no leito do ribeiro. Era ali que a minha avó Chica vinha muitas vezes lavar a roupa.
Contou-me os projectos, muitos, que tinha para o seu futuro…
Por cima de nós estava uma velha árvore sem folhas e de cor negra, numa aparência de infertilidade, mas ainda carregada com dióspiros de um laranja em tons garridos.
Por momentos vi-o como a continuação da árvore naquela esperança construída da insistência em projectar o futuro, quando todos sabíamos que o cancro tinha chegado silencioso e apenas se fizera sentir quando já não poderia haver futuro.
No domingo passado despedi-me dele com um beijo no Hospital de Évora, confortei-o com o olhar porque por palavras a emoção apenas deixou que me saísse um tímido:
- Muito ânimo.
E saí com o coração a dizer-me que esta tinha sido a nossa despedida.
Não me mentiu o coração, o Tio Filipe partiu hoje para o paraíso.
Sei que o encontrarei um dia por lá, e por certo estará sentado num longo e fértil vale com tapetes de margaridas e cheiro a esteva e Alentejo, à beira de um ribeiro de águas tranquilas, esperando por mim para falarmos da pesca, do campo, da Sopa de Tomate, do Gaspacho e de tudo aquilo que ele me ensinou a gostar.
Sei que não trocaremos muitas palavras, porque foi sempre assim, e serão mais uma vez os olhares a falar por nós e a dizer o quanto nos queremos.
Passará pouco ou muito tempo, mas eu sei que chegarei carregado de saudade, a mesma que já sinto e me faz chorar a alma, e ainda agora há pouco soube da sua partida.

4 comentários:

  1. Aqueles de quem gostamos nunca partem, continuam a viver através de nós, das nossas memórias e da partilha que fazemos delas com os outros. Foi isso que acabaste de fazer comigo e com todos os que irão ler este "post". Um abraço forte á distância

    ResponderEliminar
  2. Quando parte alguém que nos é querido custa-nos sempre mas resta as saudades e os momentos bons que vivemos com eles.
    Isso nunca nos será tirado e ficará para sempre nos nossos corações.A eterna saudade.
    M. Pereira

    ResponderEliminar
  3. Há certos momentos que nos faltam as palavas. As de conforto e coragem são, muitas vezes, as que nos saiem. Penso que nestas horas marcar a nossa prensença é mais que 1001 palavras. Fica o abraço, tão longo como a nossa amizade, esta contruida deste o tempo em que a juventude nos levava em grandes aventuras.

    ResponderEliminar
  4. Assim como protegemos nossa felicidade, temos também que proteger nossa infelicidade. Não há nada mais desgastante do que uma alegria forçada. Se você está infeliz, recolha-se, não suba ao palco. Disfarçar a dor é dor ainda maior."

    Joao paulo ribeiro

    ResponderEliminar