sábado, 8 de dezembro de 2012

A fé e o amor na manhã da minha terra


Todos os anos, na manhã do dia 8 de Dezembro, a Banda Filarmónica União Calipolense, sai às ruas de Vila Viçosa.
Começa por saudar a Senhora da Conceição, na sua igreja construída por Nuno Álvares Pereira no castelo, a primeira igreja dedicada a Nossa Senhora da Conceição que foi erigida em toda a Península Ibérica, e o local onde em 1646 e após seis longos anos de luta pela restauração, D. João IV entregou a sua coroa à Virgem, tornando-a Rainha e Padroeira do Reino de Portugal.
Imediatamente depois, a Banda dirige-se ao busto de Florbela Espanca e saúda-a também neste dia que é o do seu aniversário, e simultaneamente o dia que assinala o seu falecimento.
Contrastes na manhã da minha terra?
Teremos sempre duas grandes opções na forma de olhar a vida: procurar convergências ou então, as divergências.
Sou adepto confesso da primeira opção, e por isso não estranhem que veja aqui uma forma sublime e única de celebrar a fé e o amor, elementos essenciais e privilégios da vida.
Maria é uma Mulher que pela força da sua fé aceita mudar o rumo da História da Humanidade. Sem pensar em si, no seu interesse pessoal e nas convenções, ela dá a sua vida e aceita ser a massa fermentada por Deus para o crescimento de uma nova Era.
Florbela recusou-se a ceder ao seu tempo, qualquer componente, por mínimo que fosse, do seu todo privilégio de ser Mulher. Contra a hipocrisia de todos os espartilhos sociais e culturais do seu tempo, assumiu o amor, o prazer e a sensualidade, não se negando jamais a pagar o duro e difícil preço de quem ousa ser diferente. E um poeta será sempre um mestre no reconhecimento da grandeza da criação.
Maria e Florbela, duas heroínas do seu tempo, do nosso e de todos os tempos.
Maria e Florbela, mestras de fé e do amor, inspirações eternas celebradas nesta fria mas solarenga manhã da minha terra.

Sem comentários:

Enviar um comentário