sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Mais uma dose de alcunhas


Durante o recente lançamento do Pomar das Laranjeiras em Vila Viçosa, o meu amigo Manuel Almas leu como só ele sabe, o post “A pátria das alcunhas” que aqui publiquei no inicio do ano. O sucesso do texto foi tal que os presentes na sessão me têm recordado algumas das alcunhas de Vila Viçosa que não estão naquele texto, sugerindo-me uma nova publicação.
Ela aqui está e para que haja alguma ordem na sua apresentação, agrupei-as por categorias.
Começo pelos números. Consta que na sua génese poderão estar os números mecanográficos na hora da inspecção militar, o número dos sapatos que melhor se adaptam aos pés, e, saberá Deus, que outras medidas ou que outras partes do corpo poderão estar envolvidas. O que é certo é que por cá temos um “Dezoito”, o “Vinte e um”, o “Quarenta e cinco” e a “Setenta”.
Na classe dos animais, a variedade é grande: o “Burro”, a “Vaca”, o “Boi”, o “Andorinha”, o “Melrinho”, o “Macho”, a “Galinha”, o “Pinto choco”, o “Pardalinho”, o “Sapo”, o “Carneirinho”, a “Ratazana”, o “Pombo”, a “Gazela”, o “Pavão”, o “Macaco” e a “Cadela”.
Foram por certo os hábitos e as profissões que levaram ao rebaptizar de alguns e ao aparecimento de alcunhas como: “Mamista”, “Pipi abebera”, “Navalhinhas”, “Pão ralado”, “Papo-seco”, “João do forno”, “O Menino de Ouro”, “Pastilhas”, “Barateiros”, “Manuel à papa”, “Papa grãos”, “Papa toucinho”, “Farinheira”, “Chouriça”, “Favas”, “Broas”, “Cigarrilhas”, “O Pívias”, “Peixeiras”, “Teyrilene”, “Gira, já”, “Cága libras”, “Zé Maluquinho”, “Zé Mau”, “Quim Mau”, “Coveiro”, “Poejeiro”, “Pata branca”, “Paneiros”, “Nabo”, “Marinheiras”, a “Brinholeira”, “ Berra forte” e o “Laranjal”.   
As particularidades físicas estarão na base de: o “Cu de chumbo”, o “Marreco”, o “Bigodinho”, o “Belfo”, o “Pachorra”, o “Pichorra”, o “Barbas”, o “Patilhas”, o “Acha agulhas”, o “Beiço rachado”, o “Pés de banco”, a “Preta”, o “Maneta”, o “Chico Preto”, o “Chico escuro”, o “Cara linda”, o “Cabeça de arbusto”, a “Olivia Palito” e o “Pé de carimbo”.  
As terras de origem motivaram o aparecimento de “O Borbinhas”, “A Espanhola”, “O Saloio”, “O Terrujeiro”, “O Galego”, ou a “Maria de S. Romão”.    
E há uma grande variedade de alcunhas difíceis de agrupar: “Moias”, “Rasga-lhe a manta”, “Ecas”, “Raios”, “Cancelino”, “Pananas”, “Saragoças”, “Triosgas”, “Sobe e Desce”, “Barba azul”, “Boneco”, “Fusco”, “Manjerico”, “Bichas”, “Bisgas”, “Patarraio”, “Pouca tralha”, “Batuquinha”, “Carango”, “Fiozinho de azeite”, “Zé gato”, “Mau tempo”, “Musgado”, “Fonai”, “Passarudo”, “Xeca-a-xeca”, “Mulete”, “Fisgas”, “Bagela”, “Vento suão”, “Cachola”, “Pachicha” e o “Perinha”.           
Não posso jamais esquecer os que me estão associados por vínculo familiar e sempre recordo que o meu avô materno era o “Garoto” e que o meu tio Filipe por ser pequeno começou por ser o “Mini Cergal” e acabou sendo conhecido pelo “Cergal”.
E eu me despeço mais uma vez, Joaquim Barreiros ou Francisco Caeiro, mas em Vila Viçosa, sempre, “ O Foguete”.

2 comentários:

  1. Sempre com imensa piada.
    Um grande abraço do "Pedradas"
    e um beijinho da "Aguardente".

    ResponderEliminar

  2. ALCUNHAS
    Apelido dado a alguém, quase sempre denotativo de uma particularidade física ou moral,e o meu nao sabes ?
    RUI PEREIRA

    ResponderEliminar