domingo, 2 de setembro de 2012

Fado, pedra e lua cheia


Sei de um rio...
A guitarra portuguesa uniu-se aos grilos e às cigarras, banda sonora de uma típica noite de verão alentejana, para convidar a voz de Camané à perfeição do canto maior da alma portuguesa.
Como em qualquer viela de Alfama ou Bairro Alto, em Vila Viçosa, no fundo da Pedreira D’El Rey entre o mármore e no ventre mais ventre da terra lusa, o fado provou ser o que é desde sempre, a expressão fiel do nosso mais pátrio e próprio sentir.
A lua cheia, cúmplice fiel e maior dos amantes, indutora das sombras mágicas e oníricas das nossas noites perfeitas, uniu-se-nos à alma e brilhou intensamente no silêncio que os muitos ali presentes, quisemos oferecer ao fado.
O silêncio da nossa rendição à própria alma.
E de amores, de vida, de encontros e de nós, se fez o canto que fluiu palavra a palavra na expressão da arte dos poetas.
Do princípio e até ao fim.
Sei de um rio...

1 comentário:

  1. Quando se gosta de um Fado, gosta se da música, do poema ou da pessoa que o canta?
    Fado e nosso, desde do sul o norte ,adoro o fado
    RUI PEREIRA

    ResponderEliminar