domingo, 3 de fevereiro de 2013

Zé Artur

Recordo-me deste dia há 42 anos.
Eu estava a cinco meses de cumprir 5 anos de idade.
O berço de madeira que viu renovada a sua pintura em tons de amarelo e que recebeu novos bonecos decalcáveis, tinha sido colocado ao lado da cama dos nossos pais, havia grande agitação, alegria e um incessante esforço para me retirarem do centro de operações, o que me causava alguns transtorno pois esta minha crónica “curiosidade” já vem de muito longe.
Depois, finalmente, apresentaram-nos e achei estranho, seres tu, em vez da tal mana, a “Maria Bonita” que se chamaria Elisa, que, muito antes da Era das Ecografias, andaram meses a dizer-me que iria ter.
Não terei entendido então, mas hoje sei que terias mesmo de ser tu quando passámos a ser quatro à mesa e em tudo, porque sem ti, a minha vida jamais teria este toque de perfeição que Deus lhe tem oferecido, e pela qual serei sempre o mais grato dos Homens.
Quando brincávamos aos índios colocando os lençóis presos nos ferros da cama, quando para a procissão te vestiram de Anjinho e a mim de Santo António, e tu te entretiveste todo o caminho a rasgar as imagens de santos que estavam guardados no livro que o meu “personagem” exigia, quando falávamos até às duas da manhã, deitados nas nossas camas iguais e paralelas, às vezes ao som de um ou outro single que o resto da mesada tinha dado para comprar em Lisboa, quando “metemos” a avó Dade e a tia Quina no carro para nos juntarmos à caravana que celebrava os 6-3 do nosso Benfica em Alvalade, quando vivemos juntos e eu cozinhava e tu lavavas a louça…
Apenas exteriorizávamos em breves e banais gestos de elevadíssima cumplicidade, o amor indestrutível que nos unirá sempre, siameses de coração mas com individualidades muito próprias que o respeito e o próprio amor jamais afastarão.
E depois, tendo-te por perto e podendo partilhar tudo, até as coisas mais complicadas ficam a parecer demasiado simples. É o conforto das verdadeiras cumplicidades, as naturais, as oferecidas pelo coração.
Esse amor inspirado na “casa” que os nossos pais nos ofereceram para crescer e onde tantos, tantas vezes, chegaram com a sua simplicidade, para nos ensinarem a ser maiores, motivando-nos a rasgar o testamento tão pouco ambicioso e banal que a vida parecia ter destinado para nós.
E por ti e pelos frutos desse mesmo amor, agora somos sete, e corre sangue novo, à mesa e em tudo, no tudo das nossas vidas.
Vidas inseparáveis.
Mano, parabéns.

Sem comentários:

Enviar um comentário