segunda-feira, 1 de abril de 2013

Mentira


Existisse verdade, e talvez as badaladas das 24 horas dos dias 31 de Março de todos os anos, pudessem continuar a ser vistas como as pancadas de Moliére na antecâmara da abertura do pano para a ilusão de um primeiro de Abril como dia de mentiras.
Só que a mentira, a excepção, virou regra, e que importância tem ter mais um dia, ou menos um, nos 365 ou 366 dias de mentira que um ano tem?
Na política, saber mentir virou arte, assumindo-se que um bom político é aquele que melhor se especializou, em palavras e acções, na arte de iludir todos os que lhe dão o aplauso do voto em sucessivos “encores” do poder que lhe enche os bolsos.
No desporto, a corrupção e o doping sustentam os campeões da mentira, os melhores ilusionistas no truque dos subornos e das “armas” químicas que dão a falsa força que faz voar mais alto e ir mais longe.
Nos negócios e na gestão dos recursos públicos e privados, a ética da verdade morreu esmagada pela avalanche da mentira que sustenta o lucro que se deseja fácil e volumoso. E a ambição cega e sem regras, ganhou o estatuto da legitimidade pela aceitação que tem na opinião pública.
Na vida, os biombos tecidos pela teia do “socialmente correcto” instalam-se e conseguem camuflar o “sim” e o “não” ditados pela vontade enraizada na alma. Abafando o que somos, pomos à tona uma caricatura de nós próprios, assente naquilo que é mais cómodo e menos criticável pelas “leis” e “regras” que todos assumem mas ninguém cumpre na intimidade.
O “parece-lo” matou definitivamente a verdade do “sê-lo”, pura ilusão e travestida realidade nos dias em que até a palavra “amor” anda nas bocas de toda a gente ao ritmo dos mais elevados interesses políticos, sociais e económicos.
E assim, muitas vezes, reza-se o credo não por fé mas por bem parecer, compra-se a nobreza em páginas pagas nas revistas do social, adquirem-se licenciaturas em universidades e escolas privadas, compra-se um estatuto pela forma de falar, pelo número de beijos aplicados na bochecha do parceiro e pelas marcas de roupas, carros e acessórios…
A mentira, tratada na intimidade por “mentirinha”, entrou de tal forma no nosso convívio que merece já o adjectivo de “piedosa” quando lhe sorrimos e de forma tolerante, a aceitamos como se verdade fosse, neste contexto em que a intriga é o fruto de um apurado sentido de estratégia, e o boato, um exercício de requintada imaginação.
As mentiras, mesmo as mais “cabeludas”, são tornadas órfãs na morte dos réus promovida pelos recursos económicos e recursos jurídicos; que nunca se sabe onde acabam uns e começam os outros, sempre que falamos dos poderosos pois este “Estado” da justiça é uma infindável “Casa Pia”...
Com tudo isto, a sorte de ainda termos pimenta para juntar aos cozinhados, é ter desaparecido definitivamente o hábito de a aplicar na boca dos amigos do embuste. Destronaria a “Pasta Medicinal Couto” e viraria um bem muito escasso.
E se ao primeiro de Abril quisermos dar o estatuto de um dia diferente, temperemo-lo de verdade.
Se difícil for a prática de tal dia, chamem a Boca da Verdade (La Bocca della Verità) da Igreja de Santa Maria in Cosmedin, de Roma. A esta escultura, com uma enorme boca e que era tampa de esgoto no tempo de Nero, é atribuída a particularidade de ser intolerante à mentira, e pessoa que coloque a mão no seu interior e que emita uma mentira com os lábios, rapidamente virará maneta.
É que pensando bem, isto já não vai lá com pimenta.
Na verdade, ela até refresca…

1 comentário:

  1. Lúcida e oportuna reflexão. Já agora, recordo um neologismo muito em moda no discurso de alguns políticos e jornalistas - inverdades. Qual a diferença entre a acepção "inverdade" e mentira? Aparentemente nenhuma .... mas quando os "pantomineiros", designadamente os da "realpolitik", proferem o vocábulo "inverdade" em vez de mentira, não fazem mais do que tentar suavizar/branquear a mentira de facto.

    ResponderEliminar