sábado, 12 de outubro de 2013

Eu, um vagabundo

A manhã de Lisboa cheira a um irreverente verão pela bênção do sol rebelde e mouro que insiste por estes dias em contrariar o Outono que o calendário já trouxe há semanas.
O Rossio fervilha de turistas que em pequenos grupos caminham em direcção às Portas de Santo Antão e que inevitavelmente se dispõem em semi-circulo e prestam vassalagem às pequenas montras que ladeiam a Ginjinha do Eduardinho.
Vejo-os `através de uma das janelas do Palácio da Independência e estou na sala baptizada com nome do poeta dos meus poetas: Fernando Pessoa.
Já estão no pátio do palácio e entrarão de aqui a pouco na sala, os homens e as mulheres que vagueiam errantes pela cidade e a quem hoje eu e a Joana nos quisemos juntar.
São curtíssimos os minutos até ao momento em que estão sentados em frente a nós para que a pretexto de uma conversa sobre saúde brindemos com afectos na festa do encontro de todos.
Vagabundos, pessoas sem-abrigo, toxicodependentes, alcoólicos?
Pouco contam aqui os detalhes circunstanciais se nos une o essencial e o mais importante: sermos gente.
Somos todos iguais na partilha desta raiz.
E os conselhos sobre a aspirina ou o sabonete valem muito pouco nestas horas em que são os sorrisos, os apertos de mão, os abraços, os beijos e as palavras de afecto com o lustro dos olhares, o que mais conta e o que faz realmente a festa.
O valor inquestionável dos afectos na vida da gente posta à margem e abandonada à solidão e ao vazio das calçadas de Lisboa, a única “casa” que lhes resta.
Ali, todos juntos nesta partilha, a minha vida, onde sobram casas, ganha também um sentido maior.
E talvez nunca como hoje tenham feito sentido os anos passados na faculdade a aprender os detalhes do valor do ácido acetilsalicílico.
No palácio onde Portugal se reinventou em 1640 e na sala do poeta que pela Mensagem cantou a glória do país, a prova do tão simples que nos faria diferentes e maiores.
Bastaria apenas que a alma emergisse destes imbecis dias do “ter”.
Devolvo-me ao sol de Lisboa pelas três da tarde que continua quente e remando contra os turistas que continuam o seu percurso, impele-me a vontade que entre na Igreja de São Domingos, ali tão perto.
Também está pejada de turistas quando me ajoelho e rezo naquele estranho ambiente criado pelo fogo na sua passagem pela igreja mais rica de Lisboa, o templo que foi anfitrião dos casamentos da dinastia de Bragança.
O fogo foi de facto cruel e marcou-a para sempre sem conseguir no entanto apagar-lhe a nobreza que ainda transpira.
Os templos, cúmplices das pessoas na preservação do que é nobre e essencial, por maior que seja o “fogo” que nos empurre para as ruas frias da noite de Lisboa.
Saio passados alguns minutos e também eu me faço à Rua das Portas de Santo Antão, agora seguindo a rota dos turistas.
E sou eu, cidadão anónimo na tarde quente de Lisboa, um eterno vagabundo buscando sempre um sentido maior e melhor para a vida.

Sem comentários:

Enviar um comentário