quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Gaiolas muito pouco douradas

É Romeno, o bem-parecido motorista de táxi que entre vivendas rodeadas por jardins, me transporta pelos estreitos caminhos da velha Inglaterra até ao aeroporto de Gatwick onde vou apanhar o avião para regressar a Portugal.
A conversa leva-nos pelo futebol, pela miragem que a Comunidade Económica Europeia / União Europeia constituiu para os nossos povos após as mortes de Oliveira Salazar e Nicolae Ceausescu (tão longe e afinal tão próximos), a desilusão após a adesão, a morte anunciada do Euro e a constatação do facto de os tratados apenas expressarem fictícias uniões políticas numa Europa onde persistem as desigualdades e onde continua a existir o conjunto dos povos que servem e dos povos que são servidos, ou se quiserem, os pobres e os ricos, respectivamente.
A união permitiu que os “criados” se sentem à mesa com os “senhores” mas na hora da festa só os últimos se divertem porque os outros vão para a cozinha tratar da louça.
A conduzir um Mercedes, à esquerda como mandam as regras do país onde trabalha, este rapaz concordou comigo quando comentei a beleza das casas que íamos vendo no caminho, mas logo me disse:
- Para mim são bonitas e impossíveis pois as mais baratas custam meio milhão de libras.
Qualquer coisa como seiscentos mil euros.
Ele é dos que lava a louça.
Já no aeroporto resolvo entrar num dos restaurantes para concretizar um almoço tardio em que acabei por comer a pior pizza do meu curriculum, uma roda de massa crua enfeitada de rúcula e de camarões que não acabaram de descongelar.
No imenso restaurante não consegui visualizar nenhum empregado que não fosse Português. E todos simpáticos na hora em que descobriram que eu também era, desarmando-me da coragem de reclamar pela pouca qualidade da malfadada pizza, numa assumida solidariedade lusíada.
Não sei o nome da rapariga de Barcelos que mais falou comigo e me disse que o regresso a Portugal se vislumbra impossível. Trabalha muito por aqui, tem imensas saudades da família, mas este é o melhor sítio que tem para viver.
Definitivamente, nós também somos dos que lavamos a louça.
Depois de me despedir dos meus “amigos” Portugueses, encaminhei-me para a porta de embarque passando antes na emigração para mostrar o passaporte. Não fazendo parte do Espaço Schengen talvez o Reino Unido seja menos hipócrita não aceitando ser conivente neste disfarce de uma Europa sem fronteiras quando as verdadeiras fronteiras, as sociais, são muros intransponíveis.
O caminho é longo até ao avião e oferece-me tempo mais do que suficiente para rever o “filme” da minha última hora de vida, de buscar justificações e de me recordar das palavras do meu taxista Romeno na altura em que lhe expliquei que de adepto de Mao Tse Tung até presidente da Comissão Europeia apoiado pelos partidos mais à direita, se fez o percurso do Mister Barroso que ele sistematicamente colocava na conversa e o homem que em 2004 se demitiu de primeiro-ministro para assumir o cargo garantindo o apoio ao desenvolvimento do país (está à vista!):
- Os políticos são na verdade como as prostitutas, e vendem-se para chegar ao poder.
Só em parte concordo pois as prostitutas só vendem o corpo e não a alma, e para além disso, fazem-no muitas vezes para poderem subsistir, e não apenas pela sede do poder e dos seus associados e pérfidos benefícios que estão muito para lá das necessidades básicas.
A comparação é pois desprestigiante para as prostitutas.
E a Europa é assim porque tem de ser assim, tendo como tem, semelhantes líderes ao leme.
Quando saí do edifício onde me encontrava antes de ir para o aeroporto, o rapaz Romeno estava entretido a dar brilho ao carro e, garanto-vos, tinha o mesmo ar da fantástica Rita Blanco, a Maria do filme “A Gaiola Dourada”, quando passava o pano pelo corrimão do imponente prédio de Paris.
Tiques e gestos dos povos que servem, na ficção, e pior, na realidade.

2 comentários:

  1. Não vou perder o meu precioso tempo com causas perdidas. Gosto de viver o que de melhor a vida me pode proporcionar no presente, com os olhos postos no futuro. O passado, é passado. E é com tristeza e alguma mágoa que o digo, pois orgulho-me de ter um passado recheado de grandes e bons momentos partilhados com grandes amigos. Mas, em todos os rebanhos há ovelhas negras, e a esses reservo-lhes a indiferença e o desprezo na certeza de não necessitar nada deles. Valorizo o Melhor da vida e as pessoas que o compoem. É a esses que possibilitaram a realização de sonhos que vai uma palavra de grande apreço, consideração e os votos de muitas felicidades.

    ResponderEliminar
  2. Agora por Gaiola Dourada, o filme mais comentado dos últimos meses, que bateu recordes de espectadores em Portugal.
    A interpretação da Rita Blanco é simplesmente fantástica. Há situações engraçadas, muito portuguesas, uma vista maravilhosa sobre o nosso Douro o que sabe sempre bem terminar um filme assim. Material que é nosso e do melhor 
    É bom ver um filme leve sem ser pretensioso, um filme “ normal” e com algumas falas em Português (poucas...mas vá), coisa rara e nunca vista, pois temos sempre aquela preocupação de dizer que somos sempre alternativos e que só vemos coisas pseudo-intelectuais mas que infelizmente só um mini mini nicho é que vão ver e por isso as salas estão sempre vazias.
    Venham de lá mais uns tantos filmes assim e vamos encher as nossas salas.
    Gostei da Gaiola Dourada e gosto muito do que escreves
    P


    ResponderEliminar