quinta-feira, 4 de agosto de 2016

O Kimono não faz o Japonês…



O Kimono não faz o Japonês, tal como nada para além de si próprio consegue cumprir o Homem; mas com dobras e redobras ao jeito daquilo que me impele a vontade, e às vezes até com fortes dores nas “mãos”, eu “teço” o mundo, faço uma casa, abraço-me aos pássaros… e ofereço asas à liberdade num Origami que tem o meu nome.
Depois da Cerimónia do Chá talvez dance Yosakoi numa versão moderna do Awa Odori; que vão muito quentes os dias deste Verão.   
Ouço Taiko, leio Haruki Murakami:
“Escutem, não existe nenhuma guerra que acabe com todas as guerras”.
“Kafka à beira-mar” ou apenas detalhes escritos de uma imensa solidão.
A paz…
Oscilo entre Sushi ou Sashimi mas sempre com Hakumai, que o arroz se quer assim branco e solto, antes do pôr-do-sol e de poemas suspirados ao luar.
O sono é a paz que espera a madrugada, porque nós seremos sempre os filhos de um do sol nascente.
Reinventamo-nos em cada manhã.
O Kimono não faz o Japonês…
Mas ajuda qualquer pessoa a inventar e a escrever algo que seja diferente.

Sem comentários:

Enviar um comentário