terça-feira, 30 de agosto de 2016

Os beijos dos amigos são eternos



O silêncio é o melhor refúgio para espreitar com nitidez todas as lembranças.
São nove horas de uma Segunda-feira que vestiu o Tejo de um intenso azul, o instante em que muito provavelmente nos encontraríamos junto ao café:
- A Anabela vem hoje muito bonita.
- Muito obrigado, mas o Joaquim é um exagerado.
- Não sou nada. Os poetas é que não sentem pudor em colocar palavras sobre a verdade.
Hoje, aqui na igreja fria, resta-me o silêncio…
Conhecemo-nos há oito anos e ficámos a trabalhar lado-a-lado juntamente com o Rui que era bem-disposto e nos fazia rir aos dois. Fomos trabalhando e conversando, descobrindo-nos cúmplices em muita coisa, e sobretudo, nessa forma tão completa de viver o amor pelos nossos pais.
E havia sempre uma história bonita da Beatriz, o seu amor maior.
- Joaquim, o mundo às vezes parece não nos compreender.
- Anabela, o mundo está cheio da banalidade que nunca terá capacidade para entender quem é superior e especial.
Às vezes ao fim de semana o João aparecia com problemas na pele, eu tirava uma foto e mandava-lhe por MMS. A resposta e a generosidade nunca tardavam.
- Traga-o amanhã ao consultório.
E o meu sobrinho lá seguia feliz para a consulta, mesmo até disfarçado de astronauta por estar a caminho da festa de Carnaval.
Depois, sempre o mesmo gesto suave sobre a pele a denunciar que se nasce médico. As universidades apenas validam e certificam essa genética.
- Tenho aqui o seu livro para me dar um autógrafo.
- Aqui está e fico a aguardar o feedback.
Não o terei.
Estamos atónitos e tristes na igreja fria por onde passa em sombra o seu rosto adormecido para sempre.
- A Anabela vem muito bonita.
Dirá hoje o Céu com propriedade.
Nós regressamos ao trabalho…
Apenas os teclados dos computadores rasgam esse silêncio onde pululam as lembranças, mas um silêncio que faz doer e que é também o choro triste e abafado dos poetas
Ainda se nós os amigos tivéssemos pressentido que aquele era o último beijo, talvez nos tivéssemos precavido contra esta saudade.
Um último beijo?
Os beijos dos amigos são eternos. E o Tejo está cada vez mais azul tingido por um Céu que nos beija enquanto sorri.

Sem comentários:

Enviar um comentário