terça-feira, 14 de maio de 2013

Big Brother Marquise


A propósito da sétima avaliação dos nossos credores, a célebre Troika, até agora a mais difícil para obter nota positiva, o Presidente da República afirmou hoje que tal resultado foi uma “inspiração de Nossa Senhora de Fátima”.
Não é jamais recomendado que se invoque o nome de Deus em vão, e, entendo eu que o de Nossa Senhora de Fátima também não, sobretudo em territórios desprovidos de quaisquer sinais de “caridade” para os que mais sofrem.
Ligar a Troika a uma intervenção divina é uma forma moderna de promover uma inquisição ao estilo Século XXI, baseada em “autos de fé” que nos queimam vivos na fogueira da mais vil pobreza.
Acrescenta depois o Presidente Cavaco que esta consideração é da autoria da sua mulher, Maria.
Confesso-vos que não sei o que é pior, se é quando o Aníbal cita a Maria ou quando a Maria cita o Aníbal, numa espécie de “Mariani” esquizofrénica e sempre de muito mau gosto.
No entanto, e dado que há em todos nós um certo apetite voyeur, não deixa de ser curioso esta exposição do casal presidencial ao estilo Big Brother, com a vantagem de dispensar a Teresa Guilherme.
Imaginamos então a Maria com os rolos na cabeça, roupão de flanela enfiado, creme aclarador do buço aplicado por cima da boca, a prótese dentária colocada num copo com água e lixívia, os pés de onde brotam generosos joanetes apoiados numa cadeira na claridade da marquise, algodões a separar os dedos dos ditos “chispes” enquanto pinta com verniz comprado numa loja chinesa, as unhas antes limpas com acetona para retirar os restos do verniz do mês anterior, dissertando sobre os assuntos de Estado ao mesmo tempo que na televisão da bancada passam imagens das cerimónias de Fátima.
E o Aníbal regista, aprecia e divulga.
Que há incompetência já todos sabíamos, mas esta “inestética” falta de bom senso que agrava o terrível estado que nos coloca cada vez mais na orfandade do vazio de uma liderança vai sendo evidente em todos os nossos dias, e com muita dor.
E tudo isto, se não doesse tanto até teria a sua graça.

1 comentário:

  1. Genial!
    Muito bom mesmo.

    No "timing" certo e em cheio na "muche"!

    Parabéns.

    ResponderEliminar