segunda-feira, 24 de junho de 2013

Noite de São João

Onde moram as palavras doces que fizemos nossas, letras agrupadas por inspiração da alma e fiéis companheiras dessa festa nascida dos beijos que parecem sempre não ter fim?
Procuro-as nesta noite, cúmplice da magia da lua, que por nós, de brilho, hoje, mais do que nunca, se agigantou.
É noite se São João.
Sobem no ar centenas de balões levando sonhos de encontro à lua e ao infinito, mas as palavras, essas, permanecem em mim pela força da memória que as fez enraizar por este querer com dimensões de vida.
Olho fixamente a lua…
E mesmo estando longe ouço as gargalhadas da gente que por cima das fogueiras que têm aroma de alecrim, salta feliz pedindo sorte, mas só até ao instante em que a chama se eleva bem mais do que aquela outra da fogueira do bairro ali ao lado.
Bebe-se água na bênção de todas as fontes, e o Baptista, à luz do mais intenso luar, brilha assim, no lume aceso sobre a lenha que, zelosos, apanhámos tarde fora.
E a aldeia é uma festa a que não faltam jamais as flores dos vasos “roubados” nos viçosos quintais de todos os vizinhos.
Passa a Maria, trigueira, e canta:
É noite de São João
Há fogo e alegria no ar
Abre-se-me hoje o coração
E o meu destino é amar.
Há música: adufes, cavaquinhos, braguesas, ferrinhos e tambores… na festa de todos, que nasce no coração da gente.
E por cima de tudo, elas persistem e brilham ao luar… as palavras.

2 comentários:

  1. Sem duvidas outro belo texto.
    Obrigado por o partilhares com todos.
    Abraço.AR

    ResponderEliminar
  2. Bonito texto, pleno de emoções, cores e sentires!
    Muito grato amigo!
    Fernando Barnabé

    ResponderEliminar