sábado, 22 de junho de 2013

Uma peregrinação quente e as cumplicidades dos amigos

Acabei de me instalar com os meus pais num hotel em Fátima. Desde Vila Viçosa percorremos esta manhã, todas as estradas que bem conhecemos das peregrinações que fazíamos nesta altura do ano, no final da catequese, as mesmas que mais tarde também percorríamos para participar no Encontro Animação Nacional dos Convívios Fraternos, então todos envergando uma camisola amarela, da cor do trigo, da cor da Diocese de Évora.
Ao longo da viagem, e porque não somos da raça de promover silêncios, falámos sobre os nossos assuntos mais actuais, não deixando também de reviver algumas histórias que ligam muitos e bons amigos, amigos de sempre, aos locais por onde íamos passando.
E desde que escrevo neste Pomar, estou em dívida para com os meus amigos relativamente à crónica da Peregrinação a Fátima mais especial das nossas vidas, o que obviamente não invalida que todas as outras tenham sido também especiais.
Saímos de Vila Viçosa num sábado de Julho de 1981, cedo pela manhã, numa carrinha Peugeot cor de vinho com três filas de bancos conduzida pelo saudoso Padre Armando Tavares.
Vim eu, o João Paulo, o Manuel, o Paulo Quinteiro, a Zé Bexiga e a Zinha Duarte, então todos pelos 15 anos de idade, com o objectivo de participar num encontro nacional de jovens.
Na viagem para Fátima e para não nos deixarmos dormir resolvemos iniciar um jogo em que cada um adoptava uma marca de automóvel, contabilizando-se o número de viaturas dessa marca que circulavam em sentido contrário. A marca com mais viaturas ditava o vencedor.
Interrompemos o jogo para rezar o terço, ou melhor, interrompemos mais ou menos pois quando terminámos de rezar, o Manuel actualizou o marcador partilhando connosco instintivamente quais os “mistérios” em que meditou durante o dito.
Trouxemos farnel e como sempre, abundava na lancheira o que mais tínhamos em casa. Sendo Julho e estando um dia de canícula, as ameixas que a Zé trouxe na mochila foram óptimas pois todos nós regularizámos os intestinos e fizemos uma limpeza super eficaz.
Dormimos na carrinha algures debaixo de um alpendre e junto a uma torneira. A meio da noite o Manuel julgou ouvir a torneira e foi verificar se alguém a tinha deixado aberta, pois… era uma senhora agachada atrás do carro a aliviar a sua bexiga, julgando que a viatura não tinha ninguém.
Regressámos a Vila Viçosa depois de um passeio por Proença-a-Nova pela aldeias ao redor da casa do Padre Armando e porque as gentes da Beira Baixa são do mais generoso que existe no universo, acabamos por fazer um roteiro de “buchazinhas” com bom presunto e com o João Paulo a demonstrar a sua masculinidade ingerindo de um trago um cálice de aguardente, o que o pôs a fazer o resto da viagem de língua de fora.
Com tantos desvios acabámos por beber toda a água de Fátima que a Zé trazia a pedido da avó para tratar as suas maleitas. Por não querermos desiludir a senhora, voltámos a encher o garrafão em Nisa algures num fontanário público, milagroso por certo porque a idosa senhora ao ingerir a água reconheceu que já sentia melhoras.
Se Deus está em todo o lado porque é que as graças de Nossa Senhora não poderão estar em todas as fontes?
Todos comprámos uma regueifa para levar de oferta aos papás e todos as entregámos inteiras na chegada a casa, excepto o Manuel, o único que a transportou no colo e com todos os cuidados. Acabou por fazer a sua entrega ao jeito de pão ralado tal a volta que pelas cócegas o dito pão doce levou.
Nunca poderei precisar o número de vezes que revisitámos esta viagem e são incontáveis as gargalhadas que já demos quando nos recordamos de algum detalhe mais escabroso, mas sei que foi por esta como por tantas outras que fizemos juntos, com estes e outros amigos, que somos e seremos o melhor grupo de amigos do mundo.
Para sempre.
Criámos nas cumplicidades deste crescer juntos, as raízes para um amor de irmãos que nunca se apagará, o amor de irmãos de quem partilha a vida e de quem partilha… e para o fim deixei o mais importante… a fé.
Se é que vida e fé alguma vez se poderão dissociar.
Em Fátima, para além das peripécias que nos fazem rir, estivemos juntos a reunir sonhos e a pô-los activos nos projectos que nos fizeram como hoje somos.
Viemos juntos a aprender a ser melhores.
Quanto a mim, já paguei o prometido relatando a viagem, faltando-me apenas dizer que estou por aqui muito bem mas sentindo muitas saudades de todos estes amigos. Reconhecendo no entanto nessa saudade o quão indispensáveis eles são para os meus dias.

1 comentário:

  1. Que bom recorda as nossas memórias e ter delas boas lembranças, ainda mais com os nossos amigos que nos encheram de alegria e felicidade.
    Com um abraço.
    AR

    ResponderEliminar