sábado, 28 de junho de 2014

Os mistérios do amor numa conversa ao fim da tarde

Em Vila Viçosa, às vezes ao fim da tarde e quando o sol insiste em se retirar ali para as bandas da Rua dos Fidalgos, a mesa dos amigos convoca-nos para a esplanada do Café Restauração, sendo a bebida fresca apenas um pretexto, porque o patrocínio da conversa e do riso, é o afecto eterno que nos une.
Ontem foi mais uma vez assim e as palavras levaram-nos até aquele momento “pirrónico” em que fui questionado sobre o amor e a paixão, expressos tantas vezes no que eu escrevo.
Como então não tive tempo para responder, Manuela, Manuel, Ana Cristina, Joana e Fábio, meus queridos amigos, aqui vai a resposta:

Perguntas tu se é uma paixão
O que está por detrás dos meus versos
E eu digo que não há coração
Que não guarde segredos diversos

Jamais existirá um poeta
Que fale de amor sem o sentir
Se é o sol que um dia completa
E faz a noite à hora de partir

É assim bem fácil saber quem é
Que dá ao amor identidade
Alguém que estando mesmo aqui ao pé
Nos faz até chorar de saudade

E o amor em total dimensão
Não tem género e não tem cor
O amor é o próprio coração
Rendido ao que lhe dá valor

Assim eu vos confesso pois aqui
Olhando à nossa grande amizade
Que amor é tudo o que eu já vivi
Com este anjo, que o é de verdade.

Para bom entendedor…
Até para a semana com mais uma bebida temperada de palavras… e mistérios.   

Sem comentários:

Enviar um comentário