sábado, 11 de outubro de 2014

O Franchising do Carnaval de Torres Vedras


Acordo para o sábado, cumpro o vício matinal de comprar o Expresso e deparo-me na primeira página com uma foto que perpétua um abraço de Mário Soares a Isaltino Morais, com o ex-Presidente da República a referir a injustiça da condenação do ex-autarca de Oeiras. Os tribunais que vão para o inferno até porque “há gente que rouba milhões e não é condenada”…
Parece que o Ministro Crato pediu a demissão mas tal não foi aceite pelo Primeiro-Ministro com medo que o governo começasse a desagregar-se. E os maus ministros são como o Ébola e o que convém é nem mexer, mesmo quando tudo à volta ameaça morrer…
Leio entretanto que a Zita Seabra ter-se-á aproximado da Opus Dei; havendo a coerência da atracção por sociedades secretas, convenhamos que não é fácil percorrer esse tortuoso caminho uterino entre a defesa do aborto livre e a existência de relações sexuais tendo em conta apenas a procriação…
A Câmara Municipal da Covilhã atribui a José Sócrates a medalha de ouro da cidade e as chaves do município, definindo-o como um cidadão exemplar…
O rosto da renovação do PS começa com Ferro Rodrigues a liderar a bancada no parlamento. E olha que rosto novo e apelativo…
Como o sábado despertou com algum sol por aqui, eu até acabo por me rir e achar que o Carnaval de Torres Vedras conseguiu estabelecer-se como negócio de Franchising e que, qual McDonalds da política e do social, estará sempre à mão em qualquer esquina do país.
Consequência?
O Entroncamento fica reduzido à sua condição de pacata localidade do centro de Portugal por onde passam inúmeros comboios, dado que os fenómenos passarão a andar por aí à solta em qualquer lado.
Para além disso, o Presidente da República tem a hipótese de fazer como eu, levante-se cedo aos sábados, compre o jornal, e verá que muito facilmente irá entender o porquê de os seus concidadãos não acreditarem nos políticos.
Convém é não telefonar e tirar dúvidas com o amigo Dias Loureiro.
Entretanto, um pedido muito pessoal…
Neste reino do faz de conta e onde tudo é possível, se algum dia receberem um convite da minha parte para irem assistir a um concerto da minha pessoa no Coliseu dos Recreios, não acreditem pois será mesmo insanidade pura. Chamem o 112 e coloquem-me o colete-de-forças.
Tem que continuar a existir um limite e um ponto onde a decência se soçobra.

Sem comentários:

Enviar um comentário