quarta-feira, 17 de julho de 2013

Lisboa, Tejo, Verão e toda a magia de um entardecer

Lisboa cheira definitivamente a verão neste final de tarde em que as cerejas e os morangos que a vendedora apregoa num claro timbre de Marcha Popular, sobrepõem o vermelho sobre o ocre do casario e a promessa de azul Tejo que a Rua do Alecrim sempre nos oferece.
O triângulo dos poetas que define o verdadeiro coração de Lisboa, esse mágico território entre os pedestais de Camões, Chiado e Pessoa parece ter sido tomado por uma imensidão de turistas de olhar deslumbrado, romagem de todas as línguas, preito feito de palavras à divina língua mater lusitana.
E é de palavras, muitas, do falar sentido das emoções, que se tempera o “café”, esse nome sempre dado ao encontro dos amigos, mesmo quando sobre a mesa, para fazer companhia às palavras e ao sentir, há de tudo menos a negra solução resultante de uma quente extracção de cafeína.
À mesa: Virgílio Ferreira, um Santo António pintado de amarelo e… as nossas vidas.
As partilhas e as cumplicidades dos amigos matam sempre os relógios nesse fenómeno que transforma as horas em tão breves instantes, o vertiginoso voar do tempo por sobre a nossa vontade de o agarrar, de o fazer nosso… e lhe dar a bênção da eternidade.
Nem demos conta, mas entre o brilho do olhar que fez companhia ao abraço do olá e o brilho da saudade que marca a despedida, passaram horas preenchidas com o doce encontro e a confluência das almas, essa cimeira conjunta que congrega toda a mais pura verdade do ser.
E na despedida, o até sempre quer dizer tão-somente, para sempre irei voltar aqui.
Já corre uma ligeira e fresca brisa quando regresso ao Camões subindo o Chiado. Entre montras que expõem o luxo e o caro, a mulher que apregoa e vende a fruta impera por todo o espaço, e a sua banca já quase vazia denuncia que na companhia de rubra fruta madura, para além da inevitável poesia, se foram daqui todos os turistas.
Desço a Rua do Alecrim rumo ao Cais do Sodré, buscando o Tejo.
E o rio, fiel companheiro da cidade e da sua gente, acompanha-me pela Ribeira das Naus e até ao Cais das Colunas e ao Terreiro do Paço, oferecendo-me o privilégio de uma palete de raros tons de azul que indiciam que atrás de mim, o pôr-do-sol em breve irá devolver a noite à grandeza de Lisboa.
Um cacilheiro ponteia e borda a laranja esta imensidão e festa de azul.
Campo das cebolas, a colina de Alfama, Santa Apolónia…
Estaciono junto ao rio virado para o topo da colina e para a imponente cúpula de Santa Engrácia, igreja e panteão dos heróis, o “santuário” da eterna Amália, a voz perfeita criada por Deus para que em sonoro cantar de fado se transformassem as palavras maiores nascidas dos poetas.
Não resisto e faço uma foto. Quero guardar e partilhar este momento que me oferece o entardecer.
A noite pressente-se agora mais do que nunca e a mesa já está posta chama-nos para um jantar de amigos que romperá o serão com palavras e infinitas gargalhadas.
Lisboa, cidade e cúmplice perfeita de todos os afectos, espaço de sonhos ou apenas e só, o mote para momentos que sendo tão especiais fazem sentir a vida a valer a pena.

Sem comentários:

Enviar um comentário