sábado, 22 de novembro de 2014

Abrimos as portadas e vimos o mar


Sobre a mesa-de-cabeceira, a do lado direito, por onde entro sempre na cama, tenho um pequeno livro com poemas de Pessoa que veio substituir há pouco "O búzio de Cós" de Sophia, que morou por aqui algumas semanas.
Leio sempre algo antes de apagar a luz, nesse instante em que por entre Pai-nossos e Ave-Marias, os meus braços invejam o pensamento por não te terem aqui para te abraçar.
Poemas, orações e as preces dos meus lábios, detalhes de uma imensa fé e de um querer infinito, para que um sonho te traga até aqui à minha noite, e para que o sono não corte o eterno pensamento que estando vígil, sempre me traz o teu olhar.
Mas a esta noite acudiu-me a sorte... sonhei contigo.
Havia um corredor imenso de um soalho que brilhava de cera, e os dois de mão dada, lado-a-lado, alternando olhares e passos, trocámos palavras até chegarmos a uma sala grande com janelas fechadas.
Abrimos as portadas e vimos o mar.
Depois, e sem que se explique, como sempre acontece ao sonhar, chegou o Hemingway e ficámos os três à conversa longas horas, sentados e animados por infinitas histórias… tendo cada um de nós a sua barba para coçar.
Mais tarde abrimos a vidraça de uma janela, despedimo-nos do escritor de "O velho e o mar", e dando novamente as mãos saltámos e voámos para longe cruzando oceanos e mares.
Só me lembro que parámos depois numa ilha e num cais adornado de oliveiras.
Seria Cós?
Demos um beijo sentindo que esta ilha há milénios esperava por nós; e por entre o beijo, cumprindo a eterna insatisfação dos enamorados, eu só me recordo de pensar:
- Não, acordar agora? Não.
Mesmo que o pensamento seja eternamente teu, agora estás aqui para eu te abraçar.

Sem comentários:

Enviar um comentário