terça-feira, 18 de novembro de 2014

Três sentidos e meio


Sair ontem de Lisboa com um princípio de otite no ouvido direito e ser agitado sobre a Sardenha como o gelo num shaker, resulta numa semi-surdez com uma ressonância intracraniana de pôr louca qualquer criatura.
Nem consigo saber se estou aos gritos, e com medo de estar, tenho tendência para falar mais baixo e ninguém me ouvir, o que já me irrita entre tantos “desculpe” e “sorry” que me atiram.
Para além disso e nesta onda de “bem-estar”, resolvo ter graça e mandar uma mensagem em Italiano, com o Google a dizer-me que “um beijo infinito” se escreve “un bacio infinito”. A princípio soa bem mas depois de relido em Português é um pouco estranho pois parece que estamos a acusar a outra pessoa de sofrer de poliúria e não fazer outra coisa a não ser “xixi”.
Desinspiração.
Depois de uma noite de trovoada o dia amanhece com sol, eu continuo a ouvir mal, mas tudo parece ser diferente até ao momento em que no pequeno-almoço começo a ver o buffet a escorregar, por pura ilusão pois os meus óculos resolveram fazer uma espargata definitiva com cada lente progressiva a cair para seu lado e a visão de perto e a de longe a misturarem-se de forma demoníaca.
Depois do ouvido…
Acabo por ir para a reunião sem óculos e com a esquizofrénica sensação de que ainda ouço pior por não ter óculos.
Na reunião e como a formadora tinha uma cópia impressa dos slides, a coisa até não iria correr mal de todo, já que a partir do táxi não consegui ver nada ao longe; e se eu por acaso vos disser que me cruzei aqui em Roma com a Sophia Loren, relevem, poderia muito bem ser até o José Castelo Branco.
Resta-me o tacto, o cheiro que me revela um taxista pouco asseado, e o gosto, aquele que pela minha tendência para a gula deverá ser o derradeiro sentido a abandonar-me.
Estava eu neste episódio tortuoso de “Mr. Magoo visita Roma” quando me chega uma mensagem escrita a desejar-me “um dia cheio de sol e cheio com o meu amor”.
Eu estava a dizer-vos que via ou ouvia mal?
Pois… mas esqueçam.
Continuo sem óculos e com o ouvido entupido, mas o que é que isso interessa?
Os sentidos são pequeníssimos detalhes desprezíveis na sua limitação perante uma alma inteira e feliz.
O amor preenche-nos em todos os sentidos… e todos os sentidos, e assim não há dia que possa correr mal.
Três sentidos e meio?
O que é isso quando comparado com um coração feliz.

Sem comentários:

Enviar um comentário