quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O Dia Internacional de Qualquer Coisa

Ainda não perdi a esperança de um dia acordar e ouvir nas notícias de que esse despertar me tinha transportado para comemorações tão estranhas como o Dia Internacional das Mulheres Operadas à Vesícula, o Dia Internacional das Mulheres que usam Unhas de Gel, o Dia Internacional dos Homens Circuncidados, o Dia Internacional dos Homens que Conduzem Carros a Diesel, o Dia Internacional dos Amigos das Pastilhas Elásticas, o Dia Internacional da Mousse de Chocolate, o Dia Internacional das Pessoas que gostam da Cristina Ferreira ou o Dia Internacional dos Comedores Compulsivos de Pastéis de Bacalhau.
É que há dias para tudo, para todo o tipo de causas e circunstâncias, e hoje, de uma assentada, é Dia Internacional dos Ex-Fumadores, Dia Internacional do Coração e Dia Internacional do Farmacêutico.
Como nunca fumei e porque sou um romântico por convicção e um boticário por profissão, estou então abrangido pelas duas últimas comemorações.
Do coração confesso que trato todos os dias. De uma forma metafísica pela paixão e pela poesia, e de uma forma puramente física, pelas idas ao ginásio e pela toma do comprimido matinal da substância Inibidora do Enzima de Conversão da Angiotensina, que me ajuda a controlar a Pressão Arterial.
O Dia do Farmacêutico é comemorado hoje por ser o dia em que no calendário religioso se comemoram São Cosme e São Damião, dois irmãos gémeos que viveram no Século III da nossa era.
Damião estudou medicina e Cosme, farmácia, complementando-se assim no exercício da profissão e no tratamento dos seus semelhantes que eram atacados pelas patologias da época, a quem, por impulso da fé, não cobravam dinheiro, afirmando que curavam pelo poder de Nosso Senhor Jesus Cristo, afirmação que acabou por lhes valer o martírio por decapitação com base numa acusação de bruxaria.
Pela fama e pelas virtudes que lhes eram reconhecidas, muito rapidamente foram elevados à categoria de Santos, e São Cosme é com todo o mérito, o padroeiro de todos nós farmacêuticos.
E quis hoje o destino que à mesa do meu almoço estivessem dois médicos e dois farmacêuticos numa complementaridade extraordinária que se expressa no facto de só uns conseguirem ler algo naquilo que os outros rabiscam, e no nosso caso reforçada ainda por uma forte e convicta amizade.
A comemoração feita com um Cozido à Portuguesa num claro e assumido ataque ao coração pela via do Colesterol, não permitiu que desviássemos a atenção das notícias sobre as guerras que envolvem as nossas respectivas ordens profissionais, que devendo ser supostamente gémeas e complementares como os irmãos Cosme e Damião, lutam na imprensa e nos tribunais por questões de honra e claro, de dinheiro.
É que o tempo da “santidade” e do tratamento em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo já passou há muito, e hoje a cabeça não se perde por não cobrar nada, perde-se por querer cobrar mais e cobrar tudo.
Sinais dos tempos.
E bem podem vir Dias Internacionais de Qualquer Coisa…

1 comentário:

  1. Por falar em dias de Qualquer Coisa...cada um de nós tem o seu dia ( o dia de aniversário pelo menos), pois eu nem isso tenho....nasci no dia do pai ( dia de S. Jose) , logo é um dia sempre partilhado, mas com a maior das alegrias.
    P

    ResponderEliminar