quinta-feira, 22 de maio de 2014

A idade?

Quando na passada semana nos encontrávamos em Setúbal na fila para o ferry que nos levaria a Tróia, e uma colega estava a ser importunada por um vendedor de óculos de sol e relógios, uma espécie de “Canal Street com pernas”; eu aproximei-me e ela aproveitou a minha presença resolvendo inventar que eu era o seu marido. O dito vendedor soltou uma franca gargalhada acompanhada do comentário:
- Este velho de certeza que não é o seu marido.
Eu bem sei que tenho mais doze anos do que ela mas mesmo assim senti ganas de o mandar para bem longe dali ao mesmo tempo que pensava:
- Olha este com a mania que é estrela…
E tivesse eu quaisquer tendências depressivas e a coisa tomaria proporções de catástrofe no meu “sótão” e uma convulsão nos “macaquinhos” pois nessa mesma semana e quando comprava o bilhete para entrar no Mosteiro de Alcobaça, a funcionária, que nem olhou para mim e se encontrava em amena cavaqueira com a sua colega das limpezas, me perguntou:
- O senhor não tem mais de 65 anos, pois não?
Resolvi atacar:
- Se não estivesse a olhar para a sua colega e tivesse olhado para mim teria poupado essa pergunta ridícula.
Ela não se fica:
- Há pessoas que parecem mais novas do que realmente são.
E eu já a soprar:
- Nem sei se é pior que me chame velho ou Lili Caneças…
Ela ataca de novo com a arma mais poderosa e habitual dos funcionários da sua classe, o sistema informático:
- O sistema não me deixa anular um bilhete e eu tenho sempre de perguntar estas coisas.
E eu que odeio este atirar de culpas para cima da informática resolvo pôr-lhe uma coroa de flores sobre a campa:
- Se não estivesse a falar com esta senhora e se dignasse olhar para mim saberia que eu não tenho 65 anos e não empatava a sua colega, que o altar-mor e as teias de aranha de cor negra que enfeitam os vidros bem necessitam que ela as vá lá limpar.
Paguei, peguei no bilhete, fui ver o mosteiro e saí de lá de cabeça erguida, como o faz a selecção.
Mas mesmo não dando parte fraca nestas situações, o que é certo é que acabei por revisitar o espelho com mais atenção à procura de rugas, da curvatura generosa da barriga, dos cabelos e da barba branca…
Estive mais atento aos ais que se soltam instintivamente durante o acto matinal de calçar as meias, analisei melhor aquele movimento difícil quando preciso de apanhar algo que caiu ao chão, o levantar do sofá no fim do serão, o regresso à posição vertical depois de escovar os dentes…
E conclui sem margem para dúvidas e de forma perfeitamente isenta, que estou melhor do que nunca, não podendo ser mais nada a não ser a inveja, aquilo que move os “desgraçados” dos vendedores de óculos rasca em Setúbal e de entradas para o Mosteiro de Alcobaça.
Primeiro porque a idade está na mente e na quantidade de coisas que ainda temos para cumprir por inspiração da vontade. Velho é aquele que acha que já fez tudo e que lhe restam muito poucas coisas por fazer, e eu, confesso-vos aqui e agora, sinto-me a começar, tendo um infinito de coisas por fazer e a noção de que cumpri apenas uma parte muito pequena dos sonhos que vivem colados a mim.
Depois, mesmo falando do físico, não trocava esta por nenhuma outra idade e não consigo encontrar foto nos meus álbuns em que esteja melhor do que estou hoje.
E não me venham com essa história da ida ao oftalmologista porque as minhas lentes estão revistas e adequadas à visão.
Está bem, de vez em quando solto uns ais quando me levanto mas isso também não tem importância nenhuma pois aproveito a deixa e sigo para a frente a cantar:
- Ai, ai, ai, ai, ai, ai… Puerto Rico.
E assim, a cantar, previno as rugas e a depressão. 

1 comentário:

  1. Caro amigo, as marcas da vida vão ficando indelevelmente coladas ao físico e, mais lentamente, à mente, mas isso, normalmente, em idades que estão longe da sua. É fisiológico, mas combate-se. No seu caso, não é um problema de óculos dos que o clamam de idoso, é inveja de, mesmo os novos, não se apresentarem assim. Deixe os cães ladrarem, a caravana vai continuar a passar. Um abraço.

    ResponderEliminar