quinta-feira, 31 de julho de 2014

Eu não resisto nunca…

O eléctrico trepa veloz pela calçada, mostrando saber de cor todas as curvas do caminho. Com ele, quando acelera e frena, os nossos corpos ganham o toque de coreografia de um bailado que deixa aos olhos o benefício exclusivo dos abraços.
Eu não resisto nunca a olhar-te ao jeito de quem te abraça.
Ali, algures entre Alfama e o Castelo, há uma estrada marcada por séculos de passos e vontades, uma calçada de Lisboa que hoje é para nós a inédita rota de um sonho que por ser tão nosso, tem sobrenome de eternidade.
No cimo da colina há uma mar de flores lilases que são a antecâmara perfeita para a vista que nos revela as cores garridas do casario que parece render-se ao Tejo, o rio perfeito, que, hoje e com o sol deste fim de tarde, beija Lisboa com a força de um inultrapassável azul.
E de azul se tinge também o rendilhado namoro dos nossos olhares.
E das nossas tantas palavras…
Há séculos que Lisboa semeou aqui esta varanda, trono e casa para os nossos sonhos que não têm idade.
E por entre os olhares e as palavras, eu não resisto nunca a tocar-te ao jeito de quem te beija.
Depois, descemos a pé pela calçada, deixando-nos ir com o sol que parte, mas a tempo de ver como a fachada da Sé se ilumina e se revela perfeita com esta luz do fim da tarde.
Não tardará um adeus, a saudade semeada por um abraço de despedida, um beijo… e as nossas mãos que se tocam quando os lábios não conseguem travar um muito breve:
- Amo-te.
E parto com a certeza de que lá atrás e antes do instante deste amor, não há nada que importe; e à frente, a sorrir-me assim intensamente como o faz agora a lua que brilha no céu de Julho, estás tu.
Eternamente.
Penso em ti.
Sabes, eu não resisto nunca a pensar em ti ao jeito de quem te abraça… e de quem te beija. 

Sem comentários:

Enviar um comentário