segunda-feira, 14 de julho de 2014

Os amigos e a poesia

Sob o luar maior de Lisboa e nas vielas do bairro mais alto da cidade, aquele que tem cor de sardinheiras, tom de fado, e que no cimo da colina parece querer agarrar a própria lua, cheia se faz a noite ao redor da mesa de todos os afectos.
A noite perfeita tecida pelos instantes em que a poesia se solta dos olhares, dos abraços, de todos os gestos e das palavras dos amigos.
A minha história tornando-se mais feliz assim entrelaçada nas histórias daqueles a quem o coração oferece a magna coroa e os torna “a minha gente”.
E a nossa idade, como a nossa história, é muito mais medida por gente e afectos, do que ditada pelo tempo e pelo passivo percorrer dos dias.  
A noite perfeita e intensa faz-se naturalmente pequena até ao momento em que o sol surge no horizonte e me desperta para o privilégio de olhar o Atlântico num desvario de azul que só nós, os marinheiros de sangue e alma, conseguimos entender.
O mesmo sol que pela hora de almoço parece fazer-me rota por entre a lezíria até às margens do Sorraia.
Lá no alto, em Coruche, a Senhora do Castelo, guardiã do Ribatejo, dos campos e da gente; faz-se cúmplice da poesia, que por palavras e música, enche o domingo e os degraus fronteiros à esplanada onde todos os que vieram se abrigam à sombra.
A poesia à solta, cumprindo o seu destino incompatível com paredes e muros, assim livre ao sol da lezíria.
E é tão bom sentir que as minhas pobres palavras se fazem poesia na voz e no sentir de muitos.
A poesia é de quem a sente, muito mais do que de quem junta as letras e lhe dá a forma de palavras.
Já não falta muito para que a lua cheia volte a ser rainha e me tempere a noite de uma inédita e doce claridade. Nos canteiros da Mina e da Natália, um pouco antes do jantar, cheiramos flores afagando-lhes as pétalas: privilégios únicos do campo.
E a amizade regressa fazendo deste fim-de-semana um ciclo ao redor dos afectos, das palavras e da poesia.
Assim sou feliz.

Sem comentários:

Enviar um comentário