sexta-feira, 20 de março de 2015

E há flores e beijos perfeitos no fim de todos os invernos


Podem as sombras insistir em tapar-nos o sol beliscando a intensidade com que ele brilha sobre as nossas manhãs, que nós nunca desistiremos de seguir pelo tempo até chegarmos à primavera.
O inverno ressuscitou as ribeiras e semeou erva farta pelo campo, aqui e ali enfeitada por milhões de malmequeres em tapetes que de perto nos beijam o passo e ao longe nos prendem o olhar.
Há papoilas rubras destemidas e ousadas entre o trigo por ora verde; as espigas, o prenúncio do pão que em ondas baila com o vento por sob o canto das planícies.
Na cidade, as nuvens partem como que fazendo-se substituir no céu pelas andorinhas e deixam que o Tejo namore o sol e se vista de um fantástico azul, o tom em rima com o teu olhar que me sorri em cada passeio, em cada beijo que suplanta a ideia errada do último ter sido a imbatível excelência e perfeição.
Sim, cada um dos teus beijos bate sucessivamente o record universal dos beijos de amor.
A noite nunca será triste por ser o início de uma nova madrugada.
O inverno…
Nunca será um tempo triste porque da chuva nascem flores e porque dos beijos nascem outros na festa maior dos sentidos. O canto flor onde o pudor já morreu.
Hoje, viva a primavera.
E mesmo que as sombras eclipsem o sol durante a manhã sabemos que tal só acontecerá por um brevíssimo instante porque a primavera é afinal como a vida: e há flores e beijos perfeitos no fim de todos os invernos.
E gritos de papoilas.

Sem comentários:

Enviar um comentário