terça-feira, 24 de março de 2015

Viagens ao redor de ti





Quem ama até no sopro do vento consegue ouvir as estrofes de uma cantiga; e deixa-se embalar pelo serão esperando que o sono chegue depressa enquanto escuta o repetido som que desce pela chaminé e traz o nome do ser por quem lhe bate o coração.

Todo o serão e toda a noite escutei o teu nome por entre aquele estar só que não tem nada de solidão, e nem me recordo do instante em que pousei o livro, apaguei a luz e me predispus a adormecer.

Sonhei contigo e em intervalos vi as horas no relógio da mesinha de cabeceira...

Ainda faltam quatro, ainda faltam três, ainda faltam duas, já só falta uma hora...

E acordei deste "Doce" "Bem bom"  pelas seis da manhã.

Lá fora seguia o vento...

A barba aparada, o duche, os comprimidos, o pequeno-almoço, a mala já feita...

Lisboa desperta e espreguiça-se languidamente enquanto passo para o aeroporto. O sol parece querer beijá-la.

O avião, "Almeida Garrett", "Viagens na minha terra" sempre ao redor de ti, mando-te uma mensagem, as asas que abanam, espreito o Tejo cá de cima e depois...

As nuvens que do chão vemos negras são alvas como algodão vistas assim do lado do céu.

E já não escuto o vento...

O teu nome...

Escuto-o agora nas saudades imensas de ti.

Para quem ama não há sítio onde não consiga ouvir as estrofes de uma cantiga...

E eu escuto o teu nome.

Sem comentários:

Enviar um comentário