sábado, 7 de março de 2015

Os super poderes à solta nas margens de um rio grande e azul


A Inês é uma menina linda que tem uma alma e um olhar moreno de poeta que rimam sempre com os caracóis que lhe coroam a face e esvoaçam como andorinhas em cada impulso que ela lhes oferece no entusiasmo de uma corrida.
A Inês vive na margem esquerda de um rio grande, e do alto dos seus incríveis sete anos ambiciona ser uma fada...
Para mudar o mundo.
Na outra margem do mesmo rio vive o João, que chorou no dia em que lhe explicaram que jamais saberia contar até a um último número; porque atrás de um número chega sempre outro e outro até ao infinito.
E lá se foi o sonho de "agarrar" o universo que é bem maior do que ele imaginava.
A Inês aprendeu a ler, e no dia em que sentiu que nenhuma frase lhe seria estranha e indecifrável, aproximou-se da mãe para lhe dizer que agora sentia que tinha super poderes.
O João pediu ao tio que lhe escrevesse uma história em que ele seria um dos heróis, os outros seriam o irmão e o primo; e o argumento teria de ter magia e super poderes, porque uma história vulgar não teria qualquer interesse.
Há definitivamente magia à solta em ambos os lados do Tejo, aquele rio grande e azul que me oferece em Lisboa, o melhor poiso para namorar e colher dos dias a poesia.
A magia jamais terá idade, os sonhos não envelhecem; e eu, a minha amiga Inês e o meu sobrinho João, às vezes até poderemos "desesperar" por não sermos donos do universo, mas jamais desistiremos de fazer de cada história, de cada parágrafo; e eu de cada olhar com um beijo teu, o fermento que nos cria maiores, o sorriso perfeito nascido da vitória sobre a banalidade e o previsível.

Sem comentários:

Enviar um comentário