quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Ao som das liras

No horizonte e muito para lá da montanha, Olimpo informal e circunstancial, os deuses espreguiçam-se com o sol no primeiro alvorecer de Outubro.

Soam as liras, a poesia das palavras ditas ou cantadas, há palmas em tom de festa, o riso, as gargalhadas... que a música, muito mais do que aquilo que se escuta, é tudo aquilo que se sente; é uma paz por entre a sinfonia de todos os sentidos.

Não passará Outubro sem que nos demos beijos a bordo das castanhas assadas no barro onde estala o sal, o fruto que descascamos um para o outro enquanto passeamos. E o vinho novo espreitará para fazer connosco a festa.

Não passará Outubro que sem a tarde nos traga as brisas frias que pedem incessantes abraços fazendo a vontade ao desejo que nos impele um para o outro.

E os deuses, sentados à beira das fontes nos Olimpos informais de todos os dias sorrirão para nós, tal como o sol...

Ao som das liras.

A música e Outubro.

Sem comentários:

Enviar um comentário