domingo, 11 de outubro de 2015

Joaquim: mais vale ser Furacão num fim-de-semana do que “Mosca Morta” toda a vida



Uma pessoa passa a semana a ouvir dizer que o Furacão Joaquim chegará a Portugal no fim-de-semana e cria legítimas expectativas, acabando depois por se aperceber que esse fenómeno atmosférico seu homónimo já desceu dois níveis na hierarquia das tormentas: primeiro foi despromovido a Tempestade Tropical e agora não passa de uma Depressão Extratropical.
Ora se nos fixarmos no facto dos furacões (Huracan era o Deus das Tempestades para os Maias) serem sistemas de baixa-pressão com origem nas regiões tropicais e que são os responsáveis pelo transporte do calor para as latitudes mais altas, devo dizer que esta tormenta desfalecida e em agonia já não merece o destaque mediático que lhe foi dado, e envergonha os Joaquins.
O Joaquim Agostinho foi um furacão das bicicletas, o Quim Barreiros faz uns fenomenais “sprints” de acordeão, o meu avô Joaquim fazia a melhor açorda que eu alguma vez comi…
E até eu, e perdoem-me a imodéstia, criado nas calmas baixas pressões alentejanas arrasto comigo o calor de infinitas palavras que, e qual furacão, levo a paixão até às latitudes mais geladas e aos corações mais empedernidos.
O meu segredo?
Só uma pessoa o conhece e eu não o revelo, mas Depressão Extratropical ou “Mosca Morta” é que nunca serei. 

Sem comentários:

Enviar um comentário