quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Gosto muito da luz ténue dos fins de tarde de Outono…



Gosto muito da luz ténue dos fins de tarde de Outono, quando a brisa fresca se desinibe, se liberta, e a casa se agradece como refúgio.
Deixo-me estar ao ritmo lento do entardecer e enquanto a penumbra dá o braço ao silêncio para juntos deixarem que anoiteça.
O silêncio é o espaço generoso e completo para todas as palavras que queremos escrever ou dizer, a penumbra devolve-nos o olhar para nós mesmos; e nestas tardes há tanto de verdade e de mim em tudo o que registo no meu "velho" caderno.
Hoje perfumei a casa com o aroma doce de umas gamboas grandes e amarelas que descasquei e pus a cozer numa pequena panela.
Sinto o cheiro que veste os vapores que se libertam agitando a tampa...
E eu continuo a escrever e ainda a resistir a acender o candeeiro.
Vejo-te tão nítido por entre o tudo que há em mim, que não quero que nem por um só segundo algo me distraia e eu possa deixar de te ver.

Sem comentários:

Enviar um comentário