sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Viver ao sol

Por mais que insistam em falar-nos do destino, a verdade é que somos nós os arquitectos da nossa própria história, oferecendo ao tempo essas "mãos" impulsionadas pelo muito querer e inspiradas em tudo o que sonhamos e desejamos muito.
Por isso, meu querido amigo, não foi o tempo que te fez assim por artes de magia ou até por um simples acaso, foste tu que sempre te sonhaste e fizeste grande.
Por ti, as lágrimas das saudades de casa confidenciadas aos tachos gigantes quando aos quinze anos os lavavas no hotel perdido no meio da serra, se fizeram hoje coloridos cristais de açúcar que tu moldas dando uma expressão única ao amor de tantos.
Por ti, por exclusivo mérito teu, os quilómetros percorridos a pé entre a cidade e a aldeia quando os escudos eram poucos para o autocarro, se tornaram hoje caminhos por entre flores e sorrisos, e são os tapetes para sorrires por entre o teu sucesso.
Por ti, a neve fria do inverno da serra que te gelava os pés, é hoje um manto gigante que te acaricia e embala em todos os sonhos, tornando legítimos mesmo até os mais ousados.
Por ti, os aromas todos se soltaram como que por magia por entre tudo o que a terra nos oferece.
Por ti, o choro se fez um fado alegre, os silêncios encheram-se de palavras grandes e únicas, os medos se converteram em aleluias, e as sombras morreram pelo benefício do sol mais generoso, o sol que acompanha os especiais.
Por isso, por ti e para ti, haverá sempre uma música inspirada que tempere o ar de poesia, e por ti, e para ti, a Nana Mouskouri será sempre eterna a interpretar Vivre au soleil.
Rui, parabéns pelo meio século de vida que hoje cumpres.
Segue assim porque há no mínimo mais cinquenta anos para seres feliz e para nos fazeres pessoas mais felizes.
Um brinde especial… por ti!

Sem comentários:

Enviar um comentário