quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Eu vou definitivamente para ti na mais verdadeira consciência dos meus próprios passos


Passei pelo Harrods e comprei-te umas meias quentes e coloridas, um pouco antes de percorrer a pé algumas ruas de Londres e sentir na cara a aragem agreste de um dia que “semeou” neve em Hyde Park.
Sentado numa mesa junto à montra de um velho pub onde as pessoas se anunciam pelo tilintar de um espanta-espíritos estrategicamente colocado atrás da porta, vejo uma das abas do parque e entretenho-me a observar a azáfama da gente, enquanto me aqueço com o café servido numa caneca de tamanho gigante.
No mais completo anonimato e no silêncio que nos oferece o estarmos sós, gozamos desse inquestionável privilégio de sermos e estarmos com quem queremos, à boleia do pensamento.
Eu penso em ti.
E continuo a pensar em ti por entre aromas de café, algures por sobre a Biscaia e quando nem só uma luz vislumbro no breu que me oferece o lugar à janela do avião.
Depois adormeço… e quando acordo já vejo infinitos pontos de luz em tom dourado, e não tardo a sentir que descemos para Lisboa.
Reconheço a margem sul, o Cristo-rei… e a lua cheia temperou de prata a noite do Tejo que é hoje e como nunca, um abraço de água que me une a Lisboa.
E Lisboa és tu, muito mais do que qualquer detalhe em pedra que sobressaia do casario…
E o ar de Lisboa que respiro quando aterro é o mesmo ar que tu respiras… e por isso chamo a Lisboa a minha casa.
Depois sigo no carro.
Continuo e continuarei sempre a pensar em ti; e às vezes sinto que cada segundo, cada partícula de tempo é menos um quanto na distância que nos separa.
“Só vou por onde me levam meus próprios passos…”
O “Cântico negro”.
O avião onde hoje viajei chamava-se José Régio e na bagagem trouxe umas meias coloridas que te oferecerei num destes dias por entre beijos de amor.
Eu vou definitivamente para ti na mais verdadeira consciência dos meus próprios passos.

Sem comentários:

Enviar um comentário