quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

A amar-te como nunca e a olhar Lisboa


O calendário assinala hoje a mudança de um ano velho para outro que chega e se faz novo.
Acredito…
Mas perdi-me na contagem do tempo no exacto momento em que chegaste; que não importa mais a história feita de esperar por ti, e o presente nunca terá nome, número ou sigla, é tão só a vida, algo inacessível a adjectivos e contagens.
Porém, às vezes sentimos as estações a passar por nós, palpando-as no frio ou no calor, nos aromas… em tudo o que se vai incorporando na aragem do Tejo, o rio que nos oferece as margens para namorar.
A brisa que passa por nós e pelos nossos beijos para depois ir perfumar Lisboa com a poesia de um grande amor.
Já se sentia a primavera quando os meus braços palparam pela primeira vez o toque e o calor dos teus, e aquele não sei quê que existe em nós e nos tece em tudo e nos lábios, a palavra amor; deu um definitivo sinal de si.
O sinal de um definitivo amor, o tal amor que sobrevoa as calçadas desenhadas a preto e branco da velha Olisipo.
E entrançámos as nossas histórias na primavera lilás dos jacarandás, sonhámos e tecemos os dias à luz de um pôr-do-sol de verão, partilhámos vontades por entre as castanhas compradas numa banca que o Outono trouxe ao Rossio, ensaiámos passos e abraços à chuva dos entardeceres de inverno, voámos juntos por sobre o próprio tempo quando nos demos um beijo a ver tão pequeno o Chiado e o Carmo do alto do Elevador de Eiffel…
Nunca saberei dizer o tudo que me diz o teu olhar, o azul que rasgou em mim janelas para uma desconhecida mas muito sonhada forma de seu eu.
Jamais a minha pele conhecerá a fórmula ou quaisquer detalhes químicos dessa magia do encontro com a tua.
E as minhas mãos que te adoram...
Amo-te.
Sim.
Desde aquele primeiro abraço mas muito mais hoje que te fui descobrindo na margem direita do Tejo e da vida.
Por isso…
O calendário assinala hoje a mudança de um ano velho para outro que chega e se faz novo…
Mas eu jamais partirei ou te deixarei partir nas mãos de um tempo qualquer que passa por nós e que às vezes voa.
Quando morrer quero estar de mão dada contigo a sentir o Tejo, a amar-te como nunca e a olhar Lisboa.

Sem comentários:

Enviar um comentário