terça-feira, 16 de dezembro de 2014

A fogueira acende-se no local de onde varremos as cinzas de outros fogos que o tempo apagou


A fogueira acende-se no local de onde varremos as cinzas de outros fogos que o tempo apagou.
Varremo-las e deitámo-las ao vento, restando apenas quiçá algum pó que se nos cola à pele e aos lábios; pó e palavras ditas como pedaços de uma história que dá lugar agora ao brilho incandescente que acendemos sobre a madeira que a floresta na sua generosidade criou para nós.
E com o fôlego do muito querer, sopramos intensamente sobre o lume até ao momento em que as chamas sobem no ar e colhem de nós a sombra de um beijo que projectam ao longe na parede que é branca por bênção da mais pura cal.
E tu dispensas o calor da fogueira e pedes às minhas mãos que aqueçam as tuas quando o último vestígio de pó se me solta dos lábios pela insistência nos beijos e no pronunciar sussurrado da palavra amor.
A fogueira que não se apaga e que crepita noite fora embalando-nos no sono que cobrimos com um abraço.
Depois…
Tu aproximas-te de mim que te espero sentado numa das mesas do Nicola. É Dezembro e em Lisboa, no Rossio, sente-se o frio de quase Natal.
Caminhamos com o passo alinhado no rigor perfeito do abraço de quem se ama… mas de repente tu paras e pedes que te aqueça as mãos.
É verdade.
Tudo é igual ao sonho de há pouco ali sentado acordado à mesa do café.
Tu existes mesmo e aqueces-me a noite com o fulgor de uma fogueira acesa sobre as cinzas e mortalhas de todos os lumes da minha história.

Sem comentários:

Enviar um comentário