domingo, 31 de maio de 2015

A tomada do tempo segundo os heróis da Livraria Escolar


Os dias pareciam maiores nesses verões de Vila Viçosa porque não existia tempo que não fosse nosso.
Nem a televisão nos tomava minutos ou nos prendia, a não ser nos serões especiais dos Jogos sem Fronteiras.
Vivíamos de portas abertas e o ar circulava connosco nos corredores das casas entrando pela porta da rua e saindo pela do quintal, ou vice-versa.
Tu chegavas sempre no verão e ias ter connosco à Livraria Escolar da D. Joana Ruivo para juntos tomarmos a Corredora ali no passeio entre a loja do Senhor Domingos e o Café do Senhor Cândido.
Conhecíamos toda a gente e até os donos dos poucos carros que passavam. Já sabíamos a que horas chegavam os jornais da tarde à papelaria do Senhor Tibério e também quem passava por ali todos os dias para ir ler "A capital" na Sociedade Artística. Sabíamos que as "Manas Catatuas" chegavam sempre em Agosto para subirem a rua de braço dado, e a não ser que a sirene dos bombeiros nos desinquietasse a tarde, até a previsibilidade acrescentava tempo aos nossos dias.
Depois crescemos e um dia trocámos: eu vim viver para Lisboa e tu para o Alentejo. Fomo-nos vendo ocasionalmente quando os dias já eram muito mais curtos pela intensidade com que os vivíamos.
E as palavras... as mesmas dos livros da D. Joana voltaram a juntar-nos quase diariamente à sombra do Pomar das Laranjeiras. Tu és das leitoras mais assíduas das minhas partilhas.
Inexplicavelmente parece que não passaram por nós algumas décadas porque de cada vez que nos encontramos é como se eu ainda estivesse com o João Paulo e o Pedro atrás do balcão da Livraria e tu chegasses a sorrir cruzando uma das duas portas pintadas de vermelho, as portas que no verão estavam sempre abertas.
Tu cumpres hoje cinquenta anos, o João Paulo na próxima Sexta-feira e eu lá mais para o ano que vem.
Na vertigem destes anos pensarás por certo como eu que estamos demasiado longe de nos sentirmos com a idade de meio século; e sentimos isso pelo infinito que ainda queremos viver e pela intensidade com que o sonhamos...
Tomando o tempo todo para nós, tal qual nas tardes quentes da Corredora que só terminavam quando uma das mães nos chamava à janela para lembrar que chegara a hora do jantar.
Lena, muitos parabéns.

Sem comentários:

Enviar um comentário