quarta-feira, 27 de maio de 2015

O império da moral e o pecado da hipocrisia


A República da Irlanda é um dos países mais católicos do mundo, talvez não só pela dimensão da fé da gente, mas também porque a fidelidade ao Papa ajuda a delimitar as fronteiras relativamente à Coroa Britânica e à fidelidade Anglicana.
Segundo os dados de 2011, 84,2% da população afirma-se católica; e destes, 51,6% vão à missa pelo menos uma vez por semana, existindo ainda uma fracção de 20,9% que assume participar na Eucaristia em média uma vez por mês.
Foi neste contexto que no último sábado o “sim” ao casamento entre pessoas do mesmo sexo ganhou em referendo por 62%.
Numa reacção ontem à noite, o Cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado do Vaticano, comentou estes resultados afirmando que “A Igreja deve ter em conta esta realidade, mas no sentido de reforçar o seu compromisso com a evangelização. Eu penso não poder falar-se apenas de uma derrota para os princípios Católicos, mas sim de uma derrota para a humanidade”.
Não fora a fé dos Homens e a soberba das religiões já teria apagado Deus do centro do universo.
Parece estranho…
Mas quando os Homens se substituem a Deus no juízo das atitudes e das opiniões dos outros, e até da maioria, quando se colocam a eles próprios no altar da clarividência que advém de terem “consumido” maior dose de Espírito Santo… pura e simplesmente acabam por matá-Lo, substituindo-O por uma humana face temperada de vãos interesses.
É o império da moral sobre o do amor e da fé.
As normas tecidas pelos interesses a calarem a essência divina, focando-se na banalidade da forma muito mais do que na riqueza do conteúdo.
Quer estejamos nos desertos da Síria ou entre altares barrocos do Vaticano, porque o terrorismo e “esta evangelização” são formas medievais ao estilo das cruzadas para impor “verdades indiscutíveis” em batalhas contra a inteligência e as convicções oferecidas pela fé dos demais.
Evangelizar a Irlanda no contexto em que sugere o Cardeal Parolin será atentar contra o amor e fazer o apelo à hipocrisia, essa mesma que corta os Homens ao meio, enchendo os púlpitos e as sacristias de virtudes, e os silêncios obscuros dos mais perversos vícios privados.
E tudo isto quando o Evangelho é na sua essência o maior e mais completo poema de amor que alguém um dia poderia ter escrito, a obra-mestra que casa o que se diz com o que se faz na expressão divina e inspiradora de Jesus Cristo.
O amor… aquele que nunca se esconde e para o qual o Homem foi feito.
O amor que é a essência da liberdade, da verdade e de tudo aquilo que mais importa.
Eu, Católico, muito me alegro pelo resultado do referendo na República da Irlanda.

Sem comentários:

Enviar um comentário