quarta-feira, 27 de agosto de 2014

As sedes, os silêncios e o imenso querer dos heróis

O silêncio será sempre a melhor oportunidade para atribuir valor à música e às palavras; a ausência, a melhor forma de fazer justiça ao inquestionável valor de um abraço; e a saudade pode constituir uma fantástica e definitiva oportunidade para sentirmos que sim, este é o nosso definitivo amor de onde nunca iremos partir.
Só valoriza muito a água quem sente ou já sentiu sede, o pão vale muito pouco para quem nunca sentiu fome, e a liberdade é um dom fundamental para todos, mas muito especialmente para aqueles que um dia sentiram a mordaça que lhes limitou o desfrutar da sua própria verdade.
Depois… a adversidade é para os fortes uma escola de virtudes e para os fracos um fabuloso pretexto para dar brilho à sua “aura” de coitadinhos e desgraçados abandonados pela sorte.
E às vezes, no fim das tardes quentes de verão, quando o sol tinge de vermelho o horizonte e nós lhe entregamos o olhar, enquanto à janela escutamos a voz brava de alguém que do outro lado da linha partilha connosco a ânsia de muito querer viver por entre um interregno em que a saúde se foi; nós aprendemos tudo isso enquanto a emoção nos tolhe as palavras e nos põe o pensamento e o coração em cambalhotas a cem à hora.
E sentimo-nos muito grandes e ricos embora estejamos a chorar.
Amanhã o sol nascerá por certo mas é necessário ir procurá-lo ao outro lado da vida, perdão, da casa.

Sem comentários:

Enviar um comentário