sábado, 9 de agosto de 2014

MARTA CRISTINA & FRIENDS

A Marta, filha dos meus queridos amigos Maria Manuela e José Maria, cumpre hoje o seu 23º aniversário.
No ano em que decidi celebrar com palavras e de forma especial, os amigos no dia do seu aniversário, escolhi esta data para compor e publicar este pequeno texto, porque a Marta foi a primeira a nascer como filha da minha geração de amigos.
Na verdade, este texto também poderia chamar-se Miguel, Nuno, Pedro, Francisco, Isabel, João, Luís, Fábio, Joana, André, Margarida, Eduardo, Manuel, Mário, Teresa, Rita…
E escrevo-o para que conste no final de 2014, e sempre, o orgulho profundo que sinto por termos conseguido criar uma geração fantástica que dá legitima continuidade à esperança que nós tantas vezes sonhámos “à sombra das laranjeiras”.
A herança está a passar.
Sinto-o sempre que conversamos e nos rimos muito em conjunto, quando partilhamos mesa no Restauração a propósito de um café, de um aniversário, quando nos juntamos num jantar ou numa festa, quando interagimos no Facebook, quando cantamos juntos as mesmas canções partilhando as violas, quando compartimos a mesma fé, e especialmente quando vos dou boleia até Lisboa nos finais de tarde de domingo sentindo que os duzentos quilómetros assim à conversa passaram de uma forma demasiado rápida.
Conseguimos entender-nos tão bem que a Maria Isabel faz músicas fantásticas para os meus poemas.
Vejo-vos e sinto-vos grandes, capazes de irem conquistar o mundo e conseguirem captar dos dias tudo aquilo que eles têm de melhor.
Vislumbro a vossa garra e palpo que o sucesso está-vos no sangue, e é uma garantia.
É por isso que sinto orgulho e me revejo em tudo aquilo que vocês são e fazem.
Vocês são no fundo um upgrade fantástico da minha geração e da amizade que eu e os vossos pais conseguimos criar.
O tempo passou depressa demais e nós ainda há pouco vos ouvíamos dizer que “os meus olhos têm sono mas eu não”, que queriam uma Barbie no Natal, que não bebiam leite porque este não era da marca Mimosa, a gritarem ao telefone e nos restaurantes cheios de gente que a noite tinha sido tranquila porque tinham uma fralda, a dizerem que um pedaço de madeira servia para irem à caça porque era a vossa “pingada”…
Talvez eu tenha saudades desse tempo, mas sinto que todo o tempo que passou foi bem empregue e os vossos pais fizeram um verdadeiro trabalho de mestres.
Também não é por acaso que são meus amigos.
Por isso aqui fica um beijo especial à Marta pelo seu aniversário e beijos e abraços para todos vocês do “Tio Quim”.
Sigam em frente, sejam felizes e amem loucamente a vida.
Vocês são definitivamente o melhor e mais completo epílogo para a história das nossas vidas que aqui tenho vindo a contar.

Sem comentários:

Enviar um comentário