domingo, 10 de agosto de 2014

Coentros, danças e Bolas de Berlim (Férias – Dia 9)

Entre borrifos de uma tímida chuva, o nevoeiro e algumas brevíssimas nesgas de sol, finalmente conseguimos vislumbrar o Monte de Santa Luzia.
E o dia foi de passeio a pé entre lojas, igrejas e, claro, algumas esplanadas em prol do descanso e de uma bebida fresca.
A minha mãe, costureira, não dispensou a visita a uma retrosaria e loja de bordados. Aí, a proprietária D. Fátima, que gosta de falar quase tanto como eu, acabou a confessar que adora o Alentejo mas detesta coentros. Quando lhe perguntei o que conhece do Alentejo, foi rápida a responder:
- Paramos sempre em Alcácer do Sal para comer um arroz de peixe, sempre que vamos de férias para o Algarve.
Comparando, é mais ou menos como dizer que se conhece muito bem Itália apenas porque se costuma ir comer Pizzas ao Colombo.
E claro, só ainda provou os ditos coentros no Arroz de Peixe. Onde mais poderia ser?
Mas enfim, a senhora é simpática e a minha mãe acabou de comprar uns preparos para uma toalha de altar cujo restauro tem em mãos.
Na Praça da República havia baile.
O traje garrido das raparigas, mais do que uma prova de vitalidade financeira das aldeãs na sua vinda à cidade, é um louvor herdade das “Maias” de outro tempo e um louvor à fertilidade da terra.
Se bem me lembro das palavras de Pedro Homem de Mello que um dia li algures.
E que bem que estas raparigas e rapazes dançam o vira minhoto.
No rancho, o rapaz mais pequeno e o que dança melhor, é único e fisicamente diferente dos demais.
Hoje por aqui nesta dança, não são só os tons garridos dos trajes que louvam a terra, há este louvor acrescido à essência da gente, tão independente das formas e dos “padrões”.
Gosto muito e não consigo evitar comover-me.
Afinal de contas, estas coisas do ser diferente…
Terminada a dança há que ir à Pastelaria Natário furar a dieta da Diabetes.
Dizem que são as melhoras Bolas de Berlim de Portugal, e eu atesto que são mesmo. Uma pequena caixa comprada no tempo record de cinco minutos; nada mau para quem como eu já aguentou aqui uma fila de quarenta e cinco.
Cumprindo o seu rito iniciático, os papás aprovam os ditos bolos e eu não resisto a fazer e a enviar uma foto para quem como eu adora pecar por via da gula.
Aquele creme a sorrir para nós!
Pois, pois…
Mais um passeio, um almoço de peixe no Pescador (com direito a saudades dos coentros) e o necessário mini descanso pós-prandial, porque afinal nós não somos Alentejanos só de parar no Canal Caveira, nós somos Alentejanos com vícios reais típicos de Alentejanos.
E ao fim da tarde, mais uma bebida fresca à conversa, e o jantar.
Há dias assim… bem passados e bem temperados, mesmo que sem coentros. Os dias, que são sempre como as danças e se querem afinados e com o mínimo de pisadelas.
E quando a coisa falha?
Ora bolas… de Berlim, claro.

Sem comentários:

Enviar um comentário