quarta-feira, 29 de abril de 2015

As lembranças de Lear e a busca incessante das palavras certas


Trouxe da tarde uma foto que tirámos junto ao rio, e escrevo olhando-a fixamente à luz das lembranças, buscando arduamente as palavras que melhor desenhem a verdade sobre o sentir a que ela reporta.
Às vezes faço uma pausa e fecho os olhos para regressar ao recanto perfeito que arquitectaste em mim.
Sento-me e descanso um pouco por lá.
Depois regresso à foto e à folha branca.
Que bom seria se os dicionários de todas as línguas do universo tomassem das musas o encanto e pudessem ajudar-me…
Escrevo, leio e releio, volto a escrever… mas nada se assemelha ao tudo perfeito que os nossos olhos há pouco tão bem disseram um ao outro.
A imbatível poesia dos olhares na nudez despojada de quaisquer pudores.
Alguém plantou um sofá no cais da estação para que nós nos pudéssemos sentar a partilhar a nossa história. Passámos tantas vezes por aqui e nunca pensámos que um dia o tempo nos faria juntar; o Castelo iluminado ao fundo, o D. Maria no sossego de uma noite sem teatro.
"Assim que nós nascemos, choramos por nos vermos neste imenso palco de loucos."
Acodem-me à memória estas palavras do Rei Lear que um dia ouvi por aqui.
E sigo perdendo-me no número de vezes em que senti o impulso de te tomar e acariciar a mão, ou então no número de instantes em que o brilho dos nossos olhos esteve quase prestes a explodir…
Mas a noite reservou para nós um beijo.
Sinto-o em mim e é ele o recanto, o palco a que regresso enquanto busco as palavras certas.
Louco?
Só se assim se chamar o instante perfeito desenhado por todos os sentidos.
Um beijo…
E subo a Avenida da Liberdade a chorar e com a sensação de que hoje renasci.

Sem comentários:

Enviar um comentário