segunda-feira, 27 de abril de 2015

Este compromisso que atravessa todas as idades


De repente, apercebo-me, passaram 25 anos sobre o dia em que acabei o curso de Farmácia: 27 de Abril de 1990.
Com os muros a caírem na Europa, com Lisboa a ganhar uma cor diferente, e a poesia e a liberdade a ousarem enfeitar as noites do Bairro Alto que nos oferecia as ruas e as “tascas” para podermos pôr palavras nos sonhos e partilhá-los em voz alta; lembro-me bem dos meus 23 anos e dos regressos a casa a pé desde o cimo da Rua Rodrigo da Fonseca e da Farmácia Ronil onde estagiei, até ao Príncipe Real onde morava.
Eu e os meus pensamentos numa Lisboa que já era irremediavelmente a minha casa; e um privilégio.
Acho que nunca planeei nada de muito concreto por entre o desejo de ser feliz, independente e fiel ao compromisso de nunca me trair a mim próprio nos desejos, nas minhas mais férreas vontades. Custasse o que custasse.
E passaram 25 anos…
Quase não dei conta; penso-o quando desfruto hoje da vista desde a janela da sala de minha casa, vejo o mar e sinto o conforto de uma caneca de café que ainda há pouco pingou na máquina e perfumou todo o espaço que me envolve.
Escrevo como habitualmente ao pequeno-almoço que é a altura do dia de que mais gosto.
E acho que continuo igual no desejo de ser fiel a mim, mas hoje infinitamente mais feliz.
Amar-te é ter-te entrelaçado permanentemente em todos os pensamentos num privilégio que apaga qualquer detalhe de solidão.
Amar-te foi e será sempre a confluência dos meus desejos.
Lembras-te do primeiro passeio que demos por Lisboa quando a Feira do Livro enfeitava o Parque e os jacarandás davam cor lilás ao tecto sobre os nossos passos inebriados pela magia de se encontrarem?
Desde então que penso que era contigo que eu sonhava por entre a vontade e o compromisso de ser feliz e ser eu.
Impossível era planear-te assim tão concreto na perfeição de um amor infinito que me completa. 

Sem comentários:

Enviar um comentário